O que são vaga-lumes?

São besouros que emitem luz. Porém, nem todas as espécies possuem luminescência. Só algumas espécies, ao longo da evolução, incorporaram a bioluminescência porque ela facilita a comunicação sexual e a defesa.

Os vaga-lumes que não emitem luz em geral desenvolvem atividades diurnas.


Como é produzida a luz do vaga-lume?

A luz é produzida pelo organismo do inseto com uma reação bioquímica que libera muita energia.

O processo chamado de "oxidação biológica", permite que a energia química seja convertida em energia luminosa sem a produção de calor, por isso é chamada de luz fria.

As luzes têm diferentes cores, pois variam de espécie para espécie e nos insetos adultos facilitam a atração sexual. Os lampejos equivalem ao início do namoro: são códigos para atrair o sexo oposto.

Mas a luminescência também pode ser usada como instrumento de defesa ou para atrair a caça.

Processo de "produção de luz"

Uma molécula de luciferina é oxidada por oxigênio, em presença de ATP (trifosfato de adenosina), ocorrendo assim a formação de uma molécula de oxiluciferina, que é uma molécula energizada.

Quando esta molécula se desativa, ou seja, quando ela perde sua energia, passa a emitir luz.

Esse processo só ocorre na presença da luciferase, que é a enzima responsável pelo processo de oxidação.

As luciferases são proteínas compostas por centenas de aminoácidos, e é a seqüência destes aminoácidos que determina a cor da luz emitida por cada espécie de vaga-lume.

Para cada molécula de ATP consumida durante a reação, um fóton de luz é emitido. Portanto, a quantidade de luz enviada pelo vaga-lume indica o número de moléculas de ATP consumidas.

Engenharia genética

Há mais de 10 anos o fenômeno da bioluminescência dos vaga-lumes vêm sendo objeto de estudo.

Técnicas de engenharia genética estão sendo usadas para fazer com que bactérias possam produzir luz.

Para isso, é necessário isolar e multiplicar os genes dos elementos presentes no organismo do vaga-lume e inserir dentro da bactéria e esta passa a emitir luz como ocorre nos vaga-lumes.

"Cupinzeiros luminosos"

No Brasil o espetáculo da bioluminescência é oferecido pelos chamados "cupinzeiros luminosos".

Estes cupinzeiros luminosos são encontrados na região amazônica e no cerrado do Estado de Goiás.

É no cerrado onde a concentração de vaga-lumes é maior, fazendo com que a paisagem fique com chamativos pontos luminosos.

É observado principalmente no período de outubro a abril, em noites quentes e úmidas, como se fossem uma série de árvores de natal.

O que ocorre na verdade é que a fêmea depois de fecundada, deposita os ovos no pé dos cupinzeiros.

A noite, elas "acendem" suas luzes, atraindo a caça; insetos que em geral são cupins, mariposas e formigas.

Antigamente era possível observar no cerrado de Goiás enormes campos cobertos com esses cupinzeiros, mas com a ocupação da aréa para o plantio de soja os campos foram praticamente destruídos.

É necessária a preservação desses campos, pois a importância dos cupinzeiros luminosos não está apenas associada com sua beleza.

A espécie que habita os cupinzeiros são de fundamental importância para a pesquisa.


Ameaça aos vaga-lumes

Um problema que ameaça os vaga-lumes é a iluminação artificial, que por ser mais forte, anula a bioluminescência, podendo interferir diretamente no processo de reprodução da espécie que podem sofrer perigo de extinção.

Página feita por Keila Eliza Grimberg

Licenciatura em Ciências Exatas - USP - São Carlos - 1998.