RELATÓRIO Projeto FAPESP
Atividades desenvolvidas: Janeiro de 2005 a Janeiro de 2006
Programa: Ensino Público
Coordenadora: Yvonne Primerano Mascarenhas
Projeto: “DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE UMA PEDAGOGIA UNIVERSITÁRIA PARTICIPATIVA NO ENSINO MÉDIO:
              Atividades com ênfase em matemática e ciências"
1 Considerações Gerais
2 Objetivos Previstos e alcançados
3 Mudanças
4 Principais Dificuldades
5 Participação da equipe
6 Envolvimento da U.E.
7 Principais repercussões
8 Próxima Etapa
9 Observações
10 Participação em Simpósios, Congressos e outros
11 Conclusões
12 Observações Finais
             Anexos: relatórios do grupo de pesquisa

1. Considerações Gerais

As considerações gerais que fizemos nos nossos relatórios anteriores relativas às condições de educação e ensino no país continuam, infelizmente, válidas quanto aos problemas graves e de difícil solução em curto prazo. A mídia continua divulgando os maus resultados das avaliações de aproveitamento escolar de nossos alunos assim como dados alarmantes relativos à criminalidade juvenil. Embora tais problemas tenham muitas causas, uma das mais relevantes deve ser decorrente das condições insatisfatórias do atual sistema de ensino existentes em nosso país.

Apesar de tudo, nos atrevemos a acreditar que em nosso país as últimas décadas têm proporcionado um substancial aumento das oportunidades educacionais sob um ponto de vista quantitativo. Resta-nos agora lutar por programas de políticas públicas que aperfeiçoem o sistema educacional visando um novo padrão qualitativo que torne, de fato, a educação o motor que permitirá avançar na luta contra a desigualdade e a pobreza, tanto a nível nacional com melhores condições de trabalho e desenvolvimento, como internacional, tornando nosso país mais competitivo nas áreas de produtos com valor agregado e serviços especializados permitindo-lhe competir no Mundo Globalizado.

A decisão recente da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo visando ampliação do tempo de permanência dos alunos do Ensino Fundamental para 9 horas, traz uma real oportunidade de grande aperfeiçoamento educacional. Entre outras vantagens, acreditamos que esse regime de trabalho permitirá aos docentes uma maior permanência na escola, o que resultará em melhor qualidade de planejamento, avaliação e estruturação das atividades pedagógicas além de maior contato com os alunos.

Identificar e encontrar soluções para os problemas do ensino é missão urgente. A interação Universidade-Ensino Público e Privado é uma ação correspondente à já bem conhecida e procurada interação Universidade - Empresa que conta com programas especiais, tanto na FAPESP como nos outros órgãos federais de fomento, principalmente com a criação dos fundos setoriais administrados pelo MCT. Entretanto, a quantidade de recursos alocados para a busca da solução é, no segundo caso, ordens de grandeza superior à disponível para o primeiro, do qual depende, em grande parte, o sucesso daquele, pois, sem a formação de recursos humanos adequados, que constituirão o Capital Humano, não será possível atingir o desenvolvimento tecnológico de nossas empresas de forma internacionalmente competitiva. Tais recursos humanos deverão ser formados adequadamente desde o ensino fundamental, médio e profissionalizante de forma a produzir bons alunos para, o que além de melhorar sua formação para ingresso no ensino superior e inserção no mercado de trabalho, contribuirá também para aprimorar sua formação como cidadãos. Por todos esses motivos acreditamos que programas tais como o de Ensino Público da FAPESP deverão ser cada vez mais apoiados tanto em âmbito Estadual como Municipal e Federal.

2. Objetivos Previstos no Projeto Original e quais foram alcançados até o momento

Os objetivos originais do projeto se mantiveram e o cronograma acompanha o calendário da UE. Entretanto alguns ajustes tiveram que ser feitos em decorrência de exigência da Secretaria de Ensino de que se destinasse grande parte do horário destinado ao uso da Sala de Informática para dar maior assistência aos alunos que necessitam de reforço pedagógico. Por essa razão nos decidimos a adquirir mais dois microcomputadores para instalá-los no Laboratório de Física onde eles foram, e serão no futuro, utilizados como recurso complementar para as disciplinas de Matemática, Física, Química e Biologia sem interferir com o programa de recuperação pedagógica.

O alcance dos objetivos pode ser reconhecido através do aumento de interesse dos alunos tanto pelas atividades educacionais escolares como pelo elevado número de alunos que prestou o ENEM e inscreveram-se em vestibulares para o ensino superior e ativa participação em várias atividades tais como feira de ciências na UE, Olimpíadas e Feira de Profissões realizadas pela USP e UNESP, IYPT (International Young Physicists Tournament). Todos estes aspectos estão mencionadas nos relatórios das bolsistas.

3. Mudanças e, eventualmente, os ajustes realizados nas etapas/objetivos propostos originalmente

Podemos dizer que não realizamos mudanças quanto aos objetivos do projeto. Entretanto, em meados de 2005 a Diretoria da EESOR decidiu alocar uma ampla sala de cerca de 50 m² para instalação de um novo laboratório destinado ao ensino de Física Experimental. Maiores detalhes constam de Relatório de docente de Física.

Por termos constatado sérias carências na formação dos alunos ingressantes no Projeto (1º ano do Ensino Médio), tomamos a decisão de iniciar uma atividade com alunos de 5ª à 8ª séries do Ensino Fundamental. Para tanto contamos com a adesão da UNAC - Unidade de Aperfeiçoamento Científico, que se dispôs a realizar, durante o 2º semestre de 2005, uma série de atividades no âmbito de uma gincana. Dessa forma procuramos dar um caráter lúdico a essa atividade, porém com objetivo de aumentar o interesse dos alunos em Ciências e Matemática.


Fig. 01: Grupo Campeão da Gincana: Equipe S.O.S. Nutrientes.
Além do troféu os membros da equipe vencedora receberam medalhas, e cursos de informática da Eurodata, parabéns!

4. Principais Dificuldades encontradas na execução do Projeto de Pesquisa e as estratégias utilizadas para superá-las

A principal dificuldade continuou sendo o uso da Sala de Informática que foi destinada quase exclusivamente para atividades de recuperação de alunos com dificuldade de aprendizagem. Assim, como no ano anterior, o bolsista Léland Vinícius colaborou nessas atividades.

Tivemos algumas alterações na equipe devido a aposentadoria, distribuição de carga docente na UE e monitores ou estagiários que concluíram sua graduação. A estratégia utilizada para superar as dificuldades decorrentes das alterações na Equipe foi a de procurar novos colaboradores em caráter voluntário ou bolsistas que passaremos a nomear.

Oficina de Redação - As atividades foram bastante prejudicadas devido principalmente ao afastamento dos Profs. Marcos Lúcio Góis (USP) e Gladis Maria de Barcellos Almeida (UFSCar); O primeiro por ter que dar maior atenção ao seu programa de doutoramento que o levou a Portugal para a realização de parte de sua Tese e a segunda por motivo de formatura de sua aluna de IC, Priscila Peripato, que foi aceita para realizar o mestrado em outra Universidade. Assim, as atividades passaram a ser realizadas diretamente pela bolsista Prof.ª Mariângela Oliveira e voluntariamente pela professora Lucimar Aparecida Di Lei Pereira. O apoio educacional foi dado pela Profa. Dra. Salete Linhares Queiroz do Instituto de Química da USP/São Carlos, junto aos novos estagiários que por várias razões acabaram se desligando do Projeto.

Douglas Pino - aluno de licenciatura em Letras/UFSCar

Sarah Mascarenhas Luporini - aluna de licenciatura em Letras/UFSCar

Francislaine Lima de Oliveira - aluna de licenciatura em Letras/UFSCar

Física - Colaborou junto ao ensino de física o aluno Eduardo Henrique Frolini - do Curso de Computação do ICMC/USP, bolsista da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da USP.

Química - Colaborou junto ao ensino de Química a aluna Michele Castilho do Curso de Licenciatura em Matemática/UFSCar. As atividades realizadas estão descritas no telatório da bolsista Professora Ana Paula Nogueira Castilho Marques.

Matemática e Computação - As atividades tiveram prosseguimento com a participação do aluno Léland Vinícius de Oliveira, bolsista da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP. As atividades realizadas foram de pleno sucesso e estão descritas no seu relatório e no da bolsista Profa. Isabel Cristina Bussacarini Mariano. Sob orientação da Prof.a Maria de Lurdes Lirani, o aluno do curso de Computação do ICMC/USP, Robson William Rodrigues dos Santos (bolsa trabalho, COSEAS/USP), se dedicou a recolocar os equipamentos de informática em condições operacionais. Foi também realizada uma reunião com membros da equipe do CISC e a diretoria da U. E. a fim de colaborar para o bom funcionamento da Sala de Informática.

Abaixo apresentamos a atual composição da equipe do projeto.
 

Nome Instituição Área de atuação
Maria de Lourdes Lirani CISC/USP Computação 
Prof. Dr. Dietrich Schiel IFSC e CDCC/USP Ensino de Física 
Profa. Colaboradora
Iria Müller Guerrini
CDCC/USP Ensino de Física 
Profa. Neiva Godoy E.E.S.O.R. Ensino de Física
Profa. Dra. Agnieszka J. P. Maule IQSC/USP Ensino de Química 
Profa. Ana Paula Castilho Marques E.E.S.O.R. Ensino de Química 
Prof.a. Dra. Edna Maura Zuffi ICMC Educação Matemática 
Prof.a. Dra. Lourdes Onuchic ICMC (aposentada) Educação Matemática 
Prof.a. Isabel C. B. Mariano E.E.S.O.R. Ensino de Matemática
Prof.a. Dra. Águida Barreiro IFSC/USP Pedagogia 
Profa. Dra. Nelma R. S. Bossolan IFSC/USP Ensino de Biologia 
Profa. Mariângela F. Oliveira E.E.S.O.R Ensino de Português
Profa. Dra. Ana Paula U. Araújo IFSC/USP Ensino de Biologia 
Profa. Maria de Fátima Marrara  E.E.S.O.R. Ensino de História e Coord. Classes
Profa. Vera Lúcia Mazzochi E.E.S.O.R. Diretora da E.E.S.O.R.
Profa. Zélia J. C. Alves E.E.S.O.R. Ensino de Biologia 
Profa. Márcia R. G. Oliveira UFSCar Doutoranda 
Profa. Dra. Yvonne P. Mascarenhas IFSC/USP Coordenadora 
Michele Castilho Matemática/UFSCar Ensino de Química 
Ana Cláudia Ribeiro Guerra IFSC/USP Ensino de Biologia 
Fernanda Maria Chiari IFSC/USP Ensino de Biologia 
Ronaldo de Rosa Moreno IFSC/USP Ensino de Biologia 
Robson William Rodrigues dos Santos ICMC/USP Manutenção da Sala de Informática
Léland Vinícius Oliveira IFSC/USP Ensino de Matemática
Eduardo Henrique Frollini ICMC/USP Ensino de Física
Mateus Godói Milanez ICMC/USP Ensino de Computação
Laércio Generoso EESOR Ensino de Educação Física
Salete Linhares Queiroz IQSC/USP Ensino de Comum. e Expressão
Cibelle Celestino Silva IFSC/USP Ensino de Educação Física

5. Participação efetiva de cada pessoa da equipe de pesquisa arrolada no Projeto

Devido ao número relativamente grande de membros de nossa equipe, seria muito longo mencionar cada um. Este aspecto está bem apresentado nos relatórios individuais das professoras da Escola Pública envolvidas e bolsistas de Iniciação Científica. Podemos, entretanto, informar que os docentes da USP participantes mantiveram contacto com os parceiros da EESOR e os bolsistas para definir as atividades pedagógicas de suas respectivas disciplinas. Devemos, entretanto destacar a colaboração estabelecida entre os responsáveis pelas disciplinas de Matemática, Física e Biologia das quais resultaram varias comunicações em congressos e artigos em revistas. Da mesma forma o ensino experimental de Química foi enriquecido com a participação da bolsista Michelle Castilho que fazia a ponte com a docente da USP responsável pela disciplina de Química e aplicações interdisciplinares. Embora a Profa. Mariângela (Comunicação Expressão) tenha mencionado em seu relatório que houve pouca interação com a equipe de estagiários que realizaram as atividades de Oficina de Redação, os resultados obtidos pelos alunos participantes do Projeto foram claramente satisfatórios tendo-se em vista o resultado do ENEM ora apresentados na Tabela I.

A Profa. Maria de Fátima Marrara exerceu com muita responsabilidade sua função de coordenadora do projeto no âmbito da EESOR sendo o elemento de ligação entre a coordenadora do Projeto, os docentes da USP, a diretoria, docentes e alunos da EESOR, solucionando inúmeros problemas do dia a dia dos alunos e professores, acompanhando alunos por ocasião de visitas a outras instituições, agendando reuniões, e providências relativas à aquisição de material didático (compra de livros, cópias xerox, etc).
 

ALUNO PROVA OBJETIVA (%) REDAÇÃO
Jaqueline 48 65,00
Janaina  45 39,00
Janaina Rosa 49 49,00
Erica 43 50,50
Danilo 49 42,00
Luana 58 65,00
Katiany 61 70,50
Carla 65 67,50
Fernando 44 67,50
Robson 66 71,00
Thiago 61 67,00
Roberta 71 72,50
Lucas 55 55,00
Carlos 64 57,00
Luis 70 54,00
Kellen 68 61,50
Edvaldo 68 61,50
Tatiane 64 79,50
Cicero 66 55,50
Tatiane C 59 71,50
Vanessa 72 78,00
Denise 56 54,50
Pâmela 66 65,50
Renan 79 81,00

Tabela I: Desempenho dos alunos nas provas do ENEM (Objetiva e Redação)

Gráfico I: Comparativo do Desempenho Médio entre os alunos do Ensino Público e os alunos participantes do Projeto.


Tabela II: Histórico do Desempenho Médio dos alunos nas provas do ENEM (Objetiva e Redação)
Prova Objetiva Redação
Ano Nº de Alunos Nota Projeto Nota EP Nº de Alunos Nota Projeto Nota EP
2002 28 41,27 40,5 24 63,54 52,5
2003 26 63,84 44,79 22 64,56 52,77
2004 32 59,98 45,58 32 65,12 48,95
2005 24 60,4 39,41 24 62,54 55,25

Gráfico II: Comparativo Histórico do Desempenho Médio entre os alunos do Ensino Público e os alunos participantes do Projeto Desde o início do mesmo.

6. Envolvimento da U.E. (colaboração, cessão de espaços, disponibilidade de tempo) com a realização das atividades de pesquisa

Podemos dizer que, dentro de suas possibilidades, a UE tem colaborado cedendo espaço para as atividades no período complementar. Além disso, viabilizou uma nova sala para a instalação de um novo Laboratório Didático de Física (Fig. 02), contíguo ao antigo Laboratório que será, a partir de agora, destinado apenas para aulas práticas de Química e Biologia.


Fig.02: Novas instalações para o Laboratório de Física.

7. Principais repercussões, na U. E./Sala de Aula, das atividades de pesquisa realizadas até o momento

A UE tem consciência do caráter de pesquisa educacional do projeto, o que se evidenciou ainda mais com a participação da Doutoranda Márcia Rozenfeld Oliveira que decidiu, após visita a muitas UE's, eleger o nosso projeto como objeto de estudo de sua tese de doutoramento que foi concluída e defendida em julho de 2005. (Anexo A)

Por outro lado, sob um ponto de vista mais pragmático, a UE reconhece que o projeto tem beneficiado de um modo geral as atividades educacionais uma vez que viabiliza o aperfeiçoamento dos recursos disponíveis tanto sob o ponto de vista material, através da aquisição de equipamentos, como treinamento de professores no uso de computadores e estende o treinamento a outros alunos interessados com agendamento de sessões na sala de informática. Estas atividades tornaram-se muito produtivas com a presença dos dois bolsistas dedicados a Matemática e Computação mantidos com recursos USP. Outro aspecto muito importante é o fato de que os docentes levam também às outras classes conhecimentos e metodologias adquiridas em contacto com os docentes universitários. Sem dúvida o aproveitamento dos alunos que não participam do projeto é menor, o que não invalida os benefícios resultantes do aprimoramento das condições de trabalho. Reconhece também que a participação de alunos em vários eventos contribui positivamente para a melhora da auto-estima dos estudantes.

A diretoria da EESOR e a dirigente de Ensino da Delegacia Regional de Ensino atribuem a inclusão da EESOR no Programa estadual de tempo integral na escola aos resultados alcançados pelo Projeto, tanto no âmbito de aperfeiçoamento da infra-estrutura computacional, laboratorial e biblioteca quanto da melhoria de formação dos docentes e do aproveitamento educacional dos alunos. (Anexo B)

8. Próxima Etapa de Pesquisa

Embora a duração deste projeto se encerrou em dezembro de 2005, pretendemos dar continuidade às nossas atividades e para tanto já contamos com o apoio da Empresa SAPRA S.A. e estamos solicitando a concessão de bolsas de IC à Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária - PRCEU a fim de darmos um uso eficiente aos recursos empregados e consolidarmos o que já foi alcançado, principalmente quanto à atitude de pesquisa dos docentes da UE. Os resultados alcançados podem ser observados tanto na lista de trabalhos apresentados a congressos e artigos aceitos ou submetidos que vão anexados a este relatório quanto aos bons resultados alcançados pelos alunos no ENEM e vestibulares. Uma nova etapa de pesquisa em caráter individual deverá ter início através da realização do mestrado pela Profa. Neiva Godoi que, em decorrência de suas atividades neste projeto, resolveu candidatar-se ao curso de mestrado da UFSCar, tendo sido aceita para início em março de 2006.

9. Outras observações relevantes para a análise do projeto

Alguns aspectos que foram relevantes para o desempenho do projeto são:

a) Não obstante a recusa da FAPESP em conceder a bolsa solicitada para a Profa. Iria Müller Guerrini sua participação voluntária foi muito importante e, assim além de contribuir para o desenvolvimento das atividades da disciplina de Física, ela continua a se encarregar de administrar o site do projeto que pode ser acessado no endereço http://educar.sc.usp.br/esor/ . No site estão as principais realizações do projeto e muitas informações úteis. Acredito que a assessoria da FAPESP para este contrato poderá complementar este relatório consultando esse site.

b) Foram concedidas três bolsas de IC pela PRCEU da USP, as quais foram destinadas aos alunos participantes do projeto nas disciplinas de Física, Matemática e Biologia.

c) Foi obtida uma bolsa USP para um aluno de Ciências da Computação/USP o que veio a viabilizar a manutenção da Sala Ambiente de Informática. A participação deste bolsista está tendo excelentes reflexos para outras atividades relacionadas ao uso dessa importante facilidade da UE.

d) Foi dado estímulo e apoio à participação de alunos das classes do projeto em eventos de interesse tais como Olimpíada de Física, e de Astronomia com bom resultado. A aluna Natália de Fátima Martins obteve medalha de ouro na Olimpíada Brasileira de Astronomia. Foram também estimulados a fazer o vestibular tendo-se até agora dois (02) alunos aprovados na primeira Fase da FUVEST, dois (2) na UNICAMP, dois (2) em lista de espera da NESPAR, um (1) na Faculdade Estadual Alberto Luis Meneguel (Paraná) e quatorze (14) em Universidades Privadas, sendo cinco (5) com bolsa e cotas do Pró-Uni (seleção por desempenho no ENEM) e outros aguardando novos resultados. Lista Nominal segue em anexo.

e) Alguns resultados deste projeto:

Artigos Submetidos:

· XIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (SIICUSP): ocorrido de 7 a 9 de novembro de 2005, no campus USP São Paulo:

CHIARI, Fernanda Maria; GUERRA, Ana Claudia Ribeiro; BOSSOLAN, Nelma Regina Segnini. Desenvolvimento e avaliação de um módulo de atividades práticas em Biologia Molecular para o ensino médio. In: XIII Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo (SIICUSP), 2005, São Paulo. Resumo do XIII SIICUSP, 2005.

MIRANDA, Elisangela Matias; BOSSOLAN, Nelma Regina Segnini. Elaboração de roteiros pedagógicos para atividades práticas em biologia molecular dirigidas ao ensino médio. In: XIII Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo (SIICUSP), 2005, São Paulo. Resumo do XIII SIICUSP, 2005.

· SEMANA DA FÍSICA da UFSCar - apresentação de três trabalhos em forma de pôster:

GODOI, Neiva; MARQUES, Ana Paula C. N. Uma nova Maneira de Ensinar e Aprender Densidade. In: I Semana de Física da UFSCar (SEFIS), 2005, São Carlos. Resumo do I SEFIS, 2005.

GODOI, Neiva; MARRARA, Maria de Fátima; MARQUES, Ana Paula C. N. A Física no trânsito. In: I Semana de Física da UFSCar (SEFIS), 2005, São Carlos. Resumo do I SEFIS, 2005.

GODOI, Neiva. O Uso do Teatro para o Ensino de Física. In: I Semana de Física da UFSCar (SEFIS), 2005, São Carlos. Resumo do I SEFIS, 2005.

· Encontro Regional do International Council on Education for Teaching (ICET): de 29 a 30 de março de 2005, UFSCar, São Carlos, SP. Trabalho apresentado na categoria de pôster:

GODOI, Neiva; MARQUES, Ana Paula C. N. A Importância de se estabelecer Parcerias entre a Universidade e a Escola Pública. In: Encontro Regional do International Council on Education for Teaching (ICET), 2005, São Carlos. Pôster do ICET, 2005

· Simpósio Comemorativo de dez anos do Curso de Especialização em Educação Ambiental e Recursos Hídricos realizado pelo CRHEA-EESC-USP-São Carlos:

GODOI, Neiva; MARQUES, Ana Paula C. N. Análise da água que abastece a Cidade de São Carlos. In: Simpósio Comemorativo de dez anos do Curso de Especialização em Educação Ambiental e Recursos Hídricos realizado pelo CRHEA-EESC-USP-São Carlos, 2005, São Carlos.

10. Participação em Simpósios, Congressos e outros:

Os alunos foram estimulados a participar em eventos e os docentes apresentaram trabalhos em 5 (cinco) reuniões científicas da área de ensino.

10.1 Eventos para alunos

ð IYPT- Torneio Internacional de Jovens Físicos (IYPT): A etapa Nacional do IYPT foi realizada, em São Paulo, Estado de São Paulo, no período de 15 a 17 de abril de 2005. No torneio regional, dos 35 times inscritos, foram classificados 19 times, entre eles o time da EESOR. Durante as férias os alunos se prepararam resolvendo os problemas e se preparando para usar os recursos multimídias para apresentação e discussão dos problemas orientados pela Profa. Neiva Godoi e pelos professores de física, Iria Müller Guerrini / Dietrich Schiel (CDCC-USP). No torneio nacional, o time da EESOR conseguiu vencer o Colégio Santa Cruz - São Paulo e o Colégio Objetivo - Alphaville/Paulista/Tatuapé, mas não conseguiu que algum participante do time fosse classificado para a etapa internacional, que foi realizado em Winterthur, na Suíça, de 14 a 21 de julho de 2005. Sendo a única escola pública participante do torneio nacional, e como o time teve um bom desempenho, os alunos foram homenageados no encerramento do torneio pelos organizadores (Fig. 03).

Fig. 03: Alunos Participantes do IYPT (Torneio Internacional de Jovens Físicos - Brasil) sendo Homenageados: Tâmara Farias Guimarães, Vanessa Cristina Angelotti, Robson Douglas, Thiago Rodrigues da Silva e Tatiane Bruno Desidério, acompanhados pela Professora Bolsista Neiva Godoi.

Na fig. 04, vemos os alunos da EESOR participantes do torneio IYPT: Tâmara Farias Guimarães, Vanessa Cristina Angelotti, Robson Douglas, Thiago Rodrigues da Silva e Tatiane Bruno Desidério. Foi uma experiência muito enriquecedora para todos tanto para os docentes da EESOR, quanto para os alunos.

Dos cinco alunos que foram aprovados para segunda fase da fuvest, três participaram desse torneio: Robson, Vanessa e Thiago.


Fig. 04: Equipe da EESOR e Bahia

Fig.05: Aluna Natalia de Fátima Martins
ð Teatro sobre a vida de Einstein: os alunos apresentaram a peça "Einstein" em comemoração ao Ano Mundial da Física, dia 19 de maio de 2005, às 10h, nas dependências da EE Sebastião de Oliveira Rocha. A peça era sobre a vida de Einstein desde a sua infância até ele se tornar um grande cientista (Fig.06).
Comissão organizadora: Neiva Godoi, Ana Paula N.Castilho, Regina Helena, Edna Andreossi.
Diretora: Vera L. F. Chaves

Fig.06: Alunos participantes do teatro sobre a vida de Albert Einstein.(Danilo e Jaqueline)

Palestra “As realizações de Einstein”, dia 19 de maio de 2005, ministrada pela professora da UFSCar, Débora Coimbra.

Semóptica/IFSC-USP (agosto): o tema desenvolvido foi sobre relatividade e nossos alunos através dos relatórios, demonstraram grande interesse pelo tema, servindo também para complementar o trabalho realizado em maio. Em agosto os alunos participaram das palestras da Semóptica, que contribuíram muito para os alunos conhecerem novas tecnologias.

10.2 Eventos com participação de docentes da USP e/ou bolsistas FAPESP EP II

XVI SNEFF - XVI Simpósio Nacional do Ensino de Física: realizado no Rio de Janeiro (CEFET- Tijuca) de 24 a 28 de janeiro/2005, com apresentação de dois trabalhos em forma de pôster:

- “Visita ao Parque Ecológico”

Neiva Godoi e Ana Paula Marques

- “Mudança Conceitual e a Prática Docente para o Ensino de Óptica”

Neiva Godoi, Iria Müller Guerrini, Águida C. de Méo Barreiro, Yvonne

Mascarenhas (Fig.07)


Fig.07: SNEF-(Iria, Aguida e Neiva)

· SEMANA DA FÍSICA (março/2005) UFSCar - apresentação de três trabalhos em forma de pôster:

* Uma nova Maneira de Ensinar e Aprender Densidade

Ana Paula Castilho Nogueira Marques, Neiva Godoi

* A Física no trânsito

Ana Paula Castilho Nogueira Marques, Neiva Godoi, Fátima Marrara

* O Uso do Teatro para o Ensino de Física

Neiva Godoi

- "A Importância de se estabelecer Parcerias entre a Universidade e a Escola Pública" - Neiva Godoi, Ana Paula Marques. (Fig.08)

Fig.08: Participação do ICET-(Iria, Neiva e Profa Yvonne)·



Simpósio Comemorativo de dez anos do Curso de Especialização em Educação Ambiental e Recursos Hídricos realizado pelo CRHEA-EESC-USP-São Carlos, Neiva Godoi e Ana Paula C. N. Marques, com apresentação de Trabalho sobre análise da água que abastece a Cidade de São Carlos (Fig.09).


Fig. 09: Participação do Simpósio Comemorativo de dez anos do Curso de Especialização Ambiental e
   Recursos Hídricos realizado pelo CRHEA-EESC-USP/São Carlos.(Neiva e Ana Paula).
f) Outros apoios ao Projeto

Verba de Bancada de pesquisador 1 A pelo CNPq (YPM): Pagamento de despesas de transporte de alunos para participação em eventos, materiais para instalação de laboratório de Física, xerox de material didático (aulas e provas).

Fundação de Apoio à Física e à Química (Campus de São Carlos da USP) - Aquisição de livros didáticos e despesas de mão de obra para instalação do novo Laboratório de Física.

Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da USP - Foram concedidas três bolsas de IC que vigoraram durante todo o ano. As bolsas foram utilizadas pelos seguintes alunos da USP: Ana Cláudia Ribeiro Guerra, Léland Vinícius de Oliveira e Eduardo Henrique Frolini, cujos relatórios seguem em anexo.

COSEAS/USP - Concessão de bolsa trabalho ao aluno André Rodrigo dos Santos, para aprimorar ao Sala Ambiente de Informática (SAI).

UNAC - Uma equipe montada com alunos USP e UFSCar realizou a Gincana da Ciência com alunos de 5ª a 8ª série do Ensino Fundamental. A realização deste contou com outros apoios:

SAPRA Assessoria - Esta empresa repassou recursos ao FIPAI para pagamento de quatro (4) bolsistas, a saber: Analine Crespo Ziglio, Ligia Maria Manzine Costa, Érika Inácio Silva e Luciana Moreira, que colaboraram com a organização da Gincana de Ciências orientando os alunos nas atividades propostas.

Banco Real: Forneceu pastas para guardar os materiais produzidos pelas várias equipes da Gincana de Ciências (5ª a 8ª séries).

11. Conclusões

Relativamente ao andamento do projeto podemos afirmar que o mesmo se desenvolve de forma satisfatória, contando com a participação e o entusiasmo de todos os membros da equipe, da diretoria da EESOR e das diversas unidades do Campus da USP de São Carlos. Quanto aos alunos, acreditamos que sua participação no projeto tem sido tanto motivo de desenvolvimento de atitude de interesse pela aprendizagem como de maior auto-estima. As participações em competições científicas e esportivas, no ENEM e no vestibular dão uma evidência de sua atitude positiva acreditando que também tem condições para competir e aspirar a um melhor padrão de vida. Acreditamos ainda que o aperfeiçoamento da Biblioteca, do Laboratório, da Sala de Informática e a criação do novo Laboratório de Física beneficiarão os demais alunos da EESOR através de seu uso em atividades de ensino sob orientação de outros docentes não pertencentes à atual equipe do projeto.

Quanto às atividades dos professores da EESOR e estagiários, podemos afirmar que este ano foi muito importante para o estabelecimento das atitudes de pesquisa nas atividades de ensino-aprendizagem. Por essa razão pretendemos dar prosseguimento às atividades durante 2006 a fim de darmos continuidade ao programa de formação continuada no exercício do magistério com conseqüente aperfeiçoamento dos resultados a serem obtidos pelos alunos.

12. Observações Finais

As salas onde é aplicado o projeto se tornaram bastante diferenciados em relação ao que se observa nas demais: os problemas disciplinares são mínimos, o interesse dos alunos pelas aulas é maior. Percebe-se claramente, quando se comparam notas e faltas, que os alunos do projeto estão mais compromissados com o estudo, têm mais disciplina, boa vontade e estudam mais. Entretanto, com a implantação do projeto, os benefícios decorrentes dele se estendem também, embora em menor grau, para toda a comunidade escolar.

Quanto aos professores engajados no projeto verificamos que se sentem estimulados, são assíduos e trabalham com salas mais dinâmicas, com poucas faltas, alunos mais interessados e motivados. Podemos dizer, que existe uma troca dinâmica em que ganham os alunos e ganham os docentes!

Quanto aos resultados objetivos, apresentamos abaixo os resultados, ainda incompletamente analisados, alcançados no ENEM e Exames Vestibulares.

RESUMO DAS APROVAÇÕES EM VESTIBULARES

(¹) : 15 das Aprovações foram com Bolsa Pró-Uni
Ano Universidade Pública Total Universidade Particular Total Total
Exatas Humanas Biológicas Exatas Humanas Biológicas Geral
2002 4 1 1 6 2 4 1 7 13
2003 6 3 0 9 1 0 3 4 13
2004 1 0 0 1 3 8 7 18¹ 19
2005 6 0 0 7 2 6 15³ 21

(²) : Dados Incompletos: Faltam os resultados da UNESP e UFSCar

(³) : 05 já foram beneficiados com Bolsa, os demais estão aguardando a Bolsa Pró-Uni

Graficamente:
 

___________________________________________

Professora Dra. Yvonne Primerano Mascarenhas

Janeiro/2006

ANEXO I - RELATÓRIO DA BOLSISTA MARIA DE FÁTIMA MARRARA
Coordenadora do projeto no âmbito da Escola Estadual Sebastião de Oliveira Rocha
 1. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

Como coordenadora das atividades do projeto no âmbito da U.E. participamos, junto com a coordenadora do Projeto, na organização de atividades curriculares e extracurriculares, tendo oportunidade de executar as seguintes tarefas:


2. MUDANÇAS E AJUSTES

A descrição das atividades citadas acima, demonstram que a aplicação do projeto está sendo muito eficiente, sempre procurando concluir as metas propostas inicialmente e tentando adequar as mudanças necessárias surgidas durante sua execução.

Apesar de concluída a sala de informática (SAI), nem todos os professores desenvolveram atividades satisfatórias devido a alguns problemas estruturais, que posteriormente foram resolvidos com a vinda de bolsistas da USP.

3. UNIVERSIDADE

Sempre que surgem dificuldades para a realização de atividades extraclasse, tenho encontrado apoio dos órgãos ou pessoas ligadas à USP que se mostram prontas em auxiliar.

Com respeito à disposição de espaços, a USP nos cedeu laboratórios e anfiteatros para a execução das atividades extra-classe possibilitando aos alunos um excelente aproveitamento desse espaço.

Temos recebido apoio do CISC/ USP na ampliação e manutenção de nossos espaços alternativos, como sala de vídeo, sala de DVD, informática, laboratório de física, química e biologia/ ciências na Unidade Escolar.

A Pró-Reitoria de Cultura e Extensão/ USP e a Prefeitura do Campus Administrativo de São Carlos/ USP deram apoio às viagens dos alunos, como atividade educativa, que tinham como objetivo central despertar um maior interesse e valorização do conhecimento já adquirido. Alguns exemplos foram: visitas a laboratórios, feiras, integração com o meio ambiente, etc.

Os participantes da USP no projeto, preocupados com a postura pedagógica e didática, organizarem palestras para os docentes da UE, na escola ou no IEA.

4. UNIDADE ESCOLAR

Com respeito à escola, foram cedidas salas de aulas em período oposto para que os professores e ou monitores pudessem trabalhar e guardar seus materiais didáticos, trabalhos executados, etc.

A escola, por ser estadual, recebe alguma verba para a manutenção e compra de materiais didáticos, porém nem sempre suficiente para toda a escola que conta com mais de 1.500 alunos. Devido a isso nos faltam muitos materiais essenciais, por exemplo, materiais de laboratório, para sala de informática, xerox, ou ainda condições de melhoria para nossa biblioteca, com livros atualizados e mais específicos para o Ensino Médio.

Embora a U.E. disponha de Biblioteca a inexistência de bibliotecárias dificulta a utilização de seu acervo pelos alunos, por isso os alunos que fazem parte desse projeto se reuniram e decidiram reestruturar a mesma, iniciando pela restauração, catalogação do acervo e já informatizaram a mesma e estão fazendo carteirinhas para alunos, professores e para a comunidade em geral.

Quanto à disponibilidade de tempo, esse precisaria ser maior, o que não existe no efetivo diário do professor. Temos pouco tempo para executarmos as atividades extraclasse, sendo assim, a escola nos permite com muitas restrições utilizarmos nossos HTPC (horário de trabalho pedagógico), mas mesmo assim esse tempo é insuficiente para o desenvolvimento do trabalho interdisciplinar, discussões e reflexões sobre o andamento do projeto.

5. CRONOGRAMA DA PRÓXIMA ETAPA
 

Convite aos alunos das atuais oitavas séries do ensino fundamental para participarem desse projeto no âmbito do Programa do Ensino Público apoiado pela FAPESP, que estejam interessados em dar continuidade ao Ensino do Terceiro Grau em uma universidade pública e aprimorar sua formação cultural.

Já estou com mais uma classe montada para 2006, pois a procura é grande para esse Projeto.

Reunião com os pais desses alunos interessados em participar do projeto para explicar-lhes o objetivo do mesmo.

Reorganizar os materiais necessários para a utilização da sala de informática para que possa enriquecer ainda mais as aulas dos professores envolvidos no projeto.

Incentivar e auxiliar na capacitação dos docentes para a utilização dos equipamentos de informática.

Acompanhar as atividades extra classe para que possa valorizar os conhecimentos já adquiridos e também despertar novos interesses, com visitas dos alunos a, laboratórios universitários, feiras de profissões, integração ao meio ambiente, proporcionando uma diversidade de assuntos e novos tipos de abordagem.

Promover atividades culturais e esportivas, visando à integração entre alunos, professores e a sociedade em geral.

Estimular os professores a preparar material necessário para a utilização da videoteca, da biblioteca, da gibiteca, da utilização dos mapas itinerantes e interativos, da rádio e da nossa home-page (http://educar.sc.usp.br/esor/) para enriquecimento de todas as disciplinas.

Agendamento e acompanhamento dos alunos a diversas atividades como: olimpíadas de química, física, astronomia, concursos literários e participação nos vestibulares.

Agendar para a próxima etapa palestras educativas, contando com a participação efetiva dos docentes da USP e outros especialistas em Educação para o corpo docente da UE para incentivá-los ao aperfeiçoamento do seu trabalho em sala de aula.

Analisar o impacto da aplicação do projeto nos alunos participantes nos processos de construção de seus conhecimentos, tomando como base os três anos.

Análise da avaliação bimestral do aproveitamento dos alunos que participam do projeto com outros alunos para os quais está sendo aplicada uma metodologia convencional (gráfico de aproveitamento).

Reunião com docentes da U.E. e da USP para discussão dos resultados bimestrais quanto à postura didática e pedagógica dos mesmos em sala de aulas.

Reunião de pais para estímulo de freqüência do aluno e seu desenvolvimento no projeto como um todo.

Estímulo aos alunos para a continuidade nos estudos através da participação dos mesmos em concursos, monografias, ENEM, e vestibulares para o ingresso em curso superior.

Reunir no início do ano letivo de 2006 os professores envolvidos no projeto para planejamento do desenvolvimento de novas propostas curriculares através de discussões e reflexões sobre os trabalhos já desenvolvidos.
 

6. OBSERVAÇÕES

Como coordenadora, vejo nesse projeto a oportunidade de realizar alguns sonhos como: alunos bem mais interessados e participativos, as aulas de todos os professores envolvidos no projeto são executadas de maneira diferente as demais, pois utilizam os materiais didáticos e paradidáticos, revistas, jornais, etc, fazendo com que os alunos desenvolvam o raciocínio, despertem seus conhecimentos, curiosidades, construam idéias, criem, sejam muito participativos, verdadeiros agentes dinâmicos da sociedade.

Esse projeto dá oportunidade única aos alunos carentes financeiramente, estimulando-os a estudar, criar, raciocinar e tentar concretizar um de seus maiores objetivos que é cursar o terceiro grau. Isso se torna possível porque eles através do projeto passam a ter uma formação adequada que pode ser obtida através do mesmo. Alunos incentivados, estimulados, terão maiores chances de chegarem a uma universidade.

Um aspecto notável é quanto ao desempenho dos alunos do projeto em diferentes situações, quando comparado aos de outras salas de aula. Isto pode ser observado porque os alunos do projeto têm maior interesse, assiduidade, discernimento e expressam muito bem suas idéias e mostram que tem adquirido conhecimento e são capazes de aplicá-lo nas diversas disciplinas.Também estão sempre prontos a executarem qualquer tipo de atividade feita na escola ou fora dela e sempre se saem muito bem em tudo que participam.

Podemos concluir que as mães acompanham mais de perto a vida escolar dos alunos, sendo elas também mais presentes nas reuniões de pais realizadas bimestralmente para entrega de notas. Apesar disso quase a metade destas mães possui até o 1º. Grau completo o que poderia ser um fator que dificultaria o acompanhamento dos estudos dos filhos no ensino médio.

Quando questionados sobre o motivo que os levou a colocar os filhos no projeto, os pais destacam a preocupação em preparar o filho para “entrar em uma Universidade”, “melhores condições de ensino e aprendizagem”, “melhoria da Escola Pública”, “para que possa ter um bom emprego no futuro” e “vontade de estudar”.

Os pais demonstram ainda um alto índice de sugestão de participação em atividades complementares, extracurriculares, que podem ser as viagens ou outras atividades fora da Escola. O acesso aos livros e materiais didáticos também foi muito valorizado pelos pais.

A participação no projeto é espontânea para todos os alunos. Todos eles pretendem fazer curso superior. Os argumentos mais relatados são: poder se esforçar mais, ter oportunidade de conhecimento, passar no vestibular, adquirir mais conhecimento, melhorar o futuro, melhorar o ensino na Escola Pública, tornar a Escola mais atraente.

Como pontos positivos: o acesso aos livros didáticos e textos das matérias do curso e a possibilidade de participar de atividades complementares extracurriculares. Em todas as disciplinas observou-se um melhor desempenho dos alunos do 3 ano A. Isto demonstra um melhor preparo dos alunos para enfrentar estes tipos de questões exigidas em exames vestibulares ou em outros exames ou concursos.

As aulas do período da tarde, que aumentam a carga horária da grade curricular foram fundamentais e suficientes para abranger todo o conteúdo exigido nas diferentes disciplinas Estas aulas do período da tarde têm caráter de complementação do conteúdo programático, enfocando diferentes estratégias de ensino-aprendizagem.

Em 2004, o interesse da classe na permanência pelo período vespertino na escola ficou dividido em: 50% interesse alto, 40% interesse médio e 10% interesse baixo.Já nesse ano de 2005 a divisão foi a seguinte: 60% interesse alto, 35% interesse médio e 5% interesse baixo.

Em todas as disciplinas também observaram-se um melhor desempenho dos alunos que participam do Projeto. Isso demonstra um melhor preparo dos alunos para enfrentar esses tipos de questões exigidas em exames vestibulares, concursos ou até em empregos. Em nenhuma sala foi zerada qualquer das disciplinas esse ano, demonstrando um bom desempenho no simulado.

Quanto às provas do SARESP 2005, foram 30 questões:

Resultados SARESP

12.1Classes > número de acertos < número de acertos
1º Ano “A” 22 10
1º Ano “B” 20 09
2º Ano “A” 25 15
2º Ano “B” 19 08
3º Ano “A” 27 15
3º Ano “B” 21 07

Os alunos do Projeto também se sobressaíram nessa avaliação em relação aos outros alunos de outras salas.

Quanto aos vestibulares 2006, não temos informações sobre os resultados das Universidades Públicas, mas em relação às Faculdades Particulares temos os seguintes alunos aprovados:

Aluno (a) Curso Instituição/Resultados
Jaqueline Flavio Oliveira Fisioterapia UNIP (Bolsa)
Luana de Barros Rodrigues Arquitetura UNIARA (BOLSA)
Carla Rafaela S. Mendes Educação Física UNIP (BOLSA)
Roberta Isa Grau Farmácia UNIP
Carlos Henrique Spina Engenharia de Produção UNICEP
Luis Antonio da Silva Junior Engenharia Elétrica UNICEP
Tatiane Cristina Fachinette Nutrição UNICEP
Adriane B. de Sá Administração Empresas UNICEP
Cintia Regina Ferrao Enfermagem UNICEP
Pamella C. Garcia Psicologia UNIP
Aubiliane Lubeck de Carvalho Biomedicina UNIARA
Felipe Gustavo M. Arruda Matemática UNICEP
Merucha Agatha Donato Arquitetura UNICEP (COTA NEGROS)
Nara Juliana Sanches Peres Curso Superior de Moda UNIRP

ENEM 2005

ALUNO PROVA OBJETIVA (%) REDAÇÃO
Jaqueline 48 65,00
Janaina  45 39,00
Janaina Rosa 49 49,00
Erica 43 50,50
Danilo 49 42,00
Luana 58 65,00
Katiany 61 70,50
Carla 65 67,50
Fernando 44 67,50
Robson 66 71,00
Thiago 61 67,00
Roberta 71 72,50
Lucas 55 55,00
Carlos 64 57,00
Luis 70 54,00
Kellen 68 61,50
Edvaldo 68 61,50
Tatiane 64 79,50
Cicero 66 55,50
Tatiane C 59 71,50
Vanessa 72 78,00
Denise 56 54,50
Pâmela 66 65,50
Renan 79 81,00

Desempenho Médio dos alunos no Brasil na Prova Objetiva: 39,41%

Desempenho Médio dos Participantes do Projeto na Prova Objetiva: 60,29%

Desempenho Médio dos alunos no Brasil na Redação: 55,96

Desempenho Médio dos Participantes do Projeto na Redação: 62,54

7. CONCLUSÕES:

Os resultados alcançados são, a nosso ver, compensadores de nosso esforço em vista de melhoria da educação e ensino de nossos alunos. Somos gratos ao apoio dado pela USP e pela FAPESP.

_____________________________________

Professora Maria de Fátima Marrara

Janeiro/2006

ANEXO II - RELATÓRIO DA BOLSISTA ISABEL CRISTINA B. MARIANO
Área de Matemática

1. Contribuição da bolsista no projeto de pesquisa:

Ministrei aulas regulares (4hs semanais/série) nas salas de aula contempladas pelo projeto (1ª e 2ª séries A, da Escola Sebastião de Oliveira Rocha) num total de 8hs. Também ministrei aulas no período complementar, à tarde, para a 1a série, totalizando 12 horas semanais de dedicação ao projeto.

Foi revisado o material didático elaborado no ano anterior e realizados pequenos ajustes no texto a ser trabalhado futuramente com os alunos.

Foram realizadas atividades com o uso de calculadoras, principalmente para cálculos na exploração de gráficos de funções, e mais acentuadamente com o 2º ano, para o estudo de logaritmos e logaritmos neperianos, crescimento exponencial e funções trigonométricas.

Nas atividades interdisciplinares, foram aplicadas situações-problemas envolvendo conceitos da Física, da Biologia e de Economia (matemática financeira), que já haviam sido propostas nos anos anteriores. Também os alunos do Projeto participaram da “Feira de Conhecimentos” da escola, onde puderam executar atividades de pesquisa em Biologia, Física e Química envolvendo gráficos e outros conceitos matemáticos em sua execução. Apresentaram trabalhos mostrando a matemática como base para outras ciências, utilizaram os recursos de vídeo e micro computador, jogos de lógica e raciocínio, construção de figuras geométricas no espaço.

Foram detectadas algumas dificuldades enfrentadas pelos alunos com os principais conteúdos explorados, para a 1a serie. Para melhorar o desempenho desses alunos, foi montada uma turma de reforço no período da tarde, cujas aulas eram ministradas pelo bolsista da PRCEU/USP, Léland Vinícius de Oliveira, que recebeu minha orientação.

Participei das reuniões periódicas com a equipe orientadora da USP, mantendo contato contínuo com a coordenação da área de Matemática (uma ou duas vezes no mês).

Para enriquecimento curricular participei durante o ano de 2005 do EMR ( Ensino Médio em Rede) intitulado “Programa de formação continuada para professores do Ensino Médio; do Simpósio de Matemática para graduação, no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação, da USP, compondo a mesa redonda intitulada “Formação de Professores: algumas trajetórias profissionais”, onde relatei a minha experiência como professora da rede pública de ensino, e do curso “Ler e escrever - desafio de todos” - ministrado pelo CENPEC.

Observação: As aulas extras do período da tarde (2 horas semanais) para a 2º série, onde foram introduzidos problemas para a revisão de conteúdos de Geometria foram ministradas, em 2005, pelo monitor bolsista da PRCEU/USP, Léland Vinícius de Oliveira. Por minha impossibilidade, a professora Maria Amélia Nascimento Correia ministrou as aulas regulares e extras na 3a série, prestando uma valorosa contribuição, seguindo o material previamente elaborado. Ele teve minha orientação e da profa. Edna Maura Zuffi, coordenadora da área de Matemática na USP. Através de relato oral, e de acompanhamento contínuo, a professora Maria Amélia informou-nos que todo o programa foi cumprido, como no ano passado, e que os alunos foram muito participativos e a maioria deles se inscreveu para algum exame de ingresso em universidades públicas.

2) Mudanças e ajustes realizados nas atividades de pesquisa:

Como já mencionado no relatório anterior, algumas restrições relacionadas ao contexto escolar em que o projeto foi implantado, levaram à necessidade de uma adaptação da metodologia de ensino prevista originalmente: "O Ensino Através da Resolução de Problemas", o que conduziu-nos à necessidade de restringir o tempo dedicado à exploração de cada conteúdo, pois a quantidade de conteúdos exigidos nos exames Vestibulares é grande. Desse modo, a metodologia de ensino através de situações-problemas não pôde ser proposta em todas as aulas, mas foi priorizada nas aulas introdutórias a cada um dos temas principais.

A resolução de problemas em grupos, em geral, tem motivado os alunos a participarem, a buscarem novas formas de resolver, mas quando esta participação é necessária individualmente, nem todos os alunos se mostram plenamente engajados.

Mesmo com estas restrições, no ambiente geral da sala de aula, a implantação da metodologia de Ensino através da Resolução de Problemas, ainda que não em todos os tópicos abordados, tem provocado uma postura cada vez mais positiva por parte da maioria dos alunos, diante dos estudos e na busca da aprendizagem.

3) Participação efetiva da equipe da universidade, arrolada no Projeto:

Nas reuniões gerais, todos os professores bolsistas e coordenadores de área têm tido uma boa participação nas discussões que envolvem os aspectos comuns ao Projeto e às questões técnicas relativas à escola envolvida.

4) Colaboração da unidade escolar para a execução satisfatória do Projeto:

De maneira geral, a escola tem colaborado bem na cessão de espaços, recursos e recrutamento de alunos, no que diz respeito ao atendimento de atividades extra-classe programadas.

A execução das aulas na sala de informática, em 2005, ficou prejudicada, por excesso de demanda de uso da SAI, na escola, no período em que a utilizaríamos. Apesar disso, consideramos este fato como um ponto positivo na indicação de que os recursos físicos da escola estão sendo bastante aproveitados.

5) Principais contribuições das atividades de pesquisa para a unidade escolar:

A proposta de uma metodologia e de um material didático diferenciado para as salas de aula envolvidas no Projeto tem mostrado que os alunos, apesar de todas as dificuldades, têm apresentado maior participação, um maior índice de aprendizagem efetiva quanto aos conceitos e mesmo quanto à quantidade de assuntos trabalhados, embora nem todas as suas notas finais reflitam isso. Isto ocorre devido a uma diferenciação bastante grande nas formas de avaliação, em relação às outras salas, pois as do Projeto, no que diz respeito à Matemática, têm sido avaliadas com bastante rigor e em atividades continuadas, mas também por meio de provas escritas que promovam a oportunidade de os alunos mostrarem realmente se têm sido capazes de se dedicarem à resolução crítica de problemas, após ter sido introduzida esta metodologia.

Na 3a série, em 2005, houve um aumento de alunos interessados em prestar os exames vestibulares: FUVEST (32 alunos inscritos), UNICAMP (03), UNESP (12), UFSCar (10) e outros (04). Isto parece mostrar que o projeto tem contribuído para a melhoria na auto-estima dos alunos e para o reconhecimento de suas potencialidades.

Os alunos da 1ª, 2ª e 3ª séries contempladas pelo projeto, tiveram em 2005 uma efetiva participação na Olimpíada de Matemática para as escolas publicas, sendo que a maioria dos classificados para a segunda fase, na escola, eram dessas séries (30 alunos). Das outras séries do Ensino Médio, foram classificados somente 17 alunos. Na segunda fase, 6 alunos do projeto receberam “Menção Honrosa” pelo ótimo desempenho na Olimpíada.

Os alunos do projeto participaram da avaliação do SARESP em Leitura e Matemática, porém o resultado só será divulgado no próximo ano.

Observações gerais:

Gostaria de destacar que o Projeto tem me proporcionado um crescimento, com relação à metodologia utilizada, a “Resolução de Problemas”, embora não seja fácil promover as mudanças no modo de ensinar, com enriquecimento dos conteúdos. É mais estimulante trabalhar dessa forma: os alunos têm mais responsabilidade e desenvolvem habilidades que não tinham no início. Eles se sentem vitoriosos por conseguirem resolver os problemas. O clima e o comportamento na aula mudaram. Desse modo, vejo que o Projeto me propicia uma formação continuada que realmente traz um retorno, diferentemente de outros cursos esporádicos que fazia, aproximando-me da Universidade e incentivando-me a aprender mais.

_____________________________________

Profa. Isabel Cristina Bussacarini Mariano

Janeiro/2006

ANEXO III - RELATÓRIO DA BOLSITA ANA PAULA N. C. MARQUES
Área de Química
ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NESTE QUARTO ANO:

1- Conteúdos abordados:

- 1º ano: chuva ácida, indicadores ácido-base, caráter ácido e básico de materiais do cotidiano, solubilidade gases e interações com pH, transformações químicas e físicas, lei de Lavoisier, transformações exotérmicas e endotérmicas, transformações físicas, propriedades físicas dos materiais (pontos de fusão e ebulição, densidade).

- 2º ano: energia (térmica, química, elétrica, nuclear, outras fontes alternativas), combustíveis, lei das proporções, equações químicas, coeficientes, massas, mol, cálculo estequiométrico, energia dos alimentos, saúde física, água na natureza,soluções (preparação, tipos de concentração, condutibilidade elétrica), compostos (reconhecimento), reações de neutralização, oxidação e redução.

- 3º ano: estrutura atômica - partículas elementares, n.º atômico n.ºde massa, partículas subatômicas , , , lei das desintegrações radioativas, distribuição eletrônica, compostos iônicos e covalentes, compostos orgânicos, reações orgânicas, isomeria, cinética química, equilíbrio químico, oxi-redução, pilhas, eletrólise. No desenvolvimento da parte relativa á teoria atômica, para complementar um conteúdo já abordado nos anos anteriores, usamos o software"elementos químicos”, trabalhando também a parte de radioatividade: emissões radiativas, lei do decaimento, meia vida , fusão e fissão nuclear, sendo os temas trabalhados em comum com a professora de física,na área de “física Moderna”.

2- Planejamento e desenvolvimento das aulas teóricas e experimentais

Para a turma de 1º ano, as aulas teóricas e experimentais foram desenvolvidas conforme planejamento inicial proposto, desenvolvendo os tópicos do livro adotado Interações e Transformações. As aulas complementares do período da tarde, em sua maioria, foram usadas para melhor compreensão dos tópicos já abordados, tendo um caráter mais prático e dinâmico, com a utilização de recursos como o laboratório, a biblioteca, sala de informática, visitas, textos de jornais e revistas, filmes etc...

Os livros de exercícios e de laboratório da coleção Interações e Transformações foi base para muitas atividades extras realizadas nas aulas complementares, monitoradas pelo professor e assistidas pelo monitor. No laboratório de Informática trabalhamos com algumas atividades de pesquisa, construção de tabela de dados a partir dos experimentos, gráficos e análise dos resultados obtidos. Muitas atividades formas desenvolvidas usando-se para pesquisa revistas, jornais, livros, Internet. Estas atividades, exercícios, textos, experimentos, aulas com informatização, leituras complementares abordam conteúdos já trabalhados em sala de aula, auxiliando na fixação e incorporação destes conhecimentos, e também, estimulando a busca de novos caminhos do conhecimento. No último bimestre desenvolvemos um projeto conjunto com a área de física, abordando as propriedades físicas dos materiais. Os alunos interagiram de tal forma com as aulas de química experimentais, que desenvolveram uma atividade para a feira de ciências.

Para a turma do 2º ano trabalhamos com softwares da Secretaria de Estado da Educação: Crocodylle Chemistry (laboratório); muita ênfase em pesquisas, já que trabalhamos com alguns projetos: água, formas alternativas de energia; rótulos de embalagens de produtos alimentares, limpeza e medicamentos, bebidas, principalmente água. Trabalhamos bastante com cálculo estequiométrico, fazendo experimentos envolvendo quantidades de reagentes, excesso, pureza e rendimento.

Para a turma do 3º ano, as aulas também foram desenvolvidas de acordo com o conteúdo proposto, enfatizando-se mais a parte de exercícios, testes de vestibulares e simulados, já que todos estavam interessados em prestar o vestibular no final do ano. No entanto, utilizamos o software elementos químicos (estrutura atômica e tabela periódica), e algumas pesquisas no laboratório de informática, complementando sempre que possível com atividades de laboratório, como alguns experimentos: “imitando fogos de artifício” - envolvendo distribuição eletrônica; “propriedades dos compostos iônicos e moleculares”, usando pontos de fusão, solubilidade, condutividade elétrica; “combustão de vela”- combustão de compostos orgânicos; determinação da % alcoólica da gasolina; obtenção de álcool a partir da cana de açúcar; funcionamento de um bafômetro; a procura da vitamina C, foram alguns dos experimentos realizados ligados à área de química orgânica. Outros experimentos, - fatores que afetam a velocidade de uma reação, lei da velocidade; o equilíbrio cromato e dicromato com alteração do pH; equilíbrio ácido base com indicador; ilustram experimentos que acompanharam a parte de cinética e equilíbrio. Para complementar, trabalhamos com a oxidação de metais e eletrólise da água. Nas últimas aulas, fizemos bastantes exercícios, dando ênfase a exercícios para vestibulares.

3 - Abordagens Interdisciplinares

Diversas atividades realizadas durante o ano evidenciam o caráter interdisciplinar que se pretende permear com o projeto, como:

No 1º ano , logo ao início, abordamos o tema chuva ácida,sua conseqüência ambiental, efeito estufa, camada de ozônio,complementando-se a química com a ecologia. Ao abordarmos propriedades físicas, fizemos uma parceria com a física e desenvolvemos um projeto, trabalhando com densidade, ponto de ebulição e ponto de fusão de materiais.

Foi bastante trabalhado a construção e a interpretação de gráficos, o qual não teríamos obtido êxito não fosse o apoio da matemática.

No 2º ano, ao ser estudado o tema termologia,houve uma grande integração entre física e química, indo desde o manuseio e utilização de termômetros, construção de curvas de fase ,até construção e utilização de um calorímetro.Com este calorímetro pudemos calcular o calor gasto para aquecer determinada quantidade de água e relacioná-lo com os alimentos queimados: amendoim, bolachas, pão e sua energia fornecida por grama. Todos os tópicos abordados dentro das aulas de energia foram relacionados com a biologia e educação física, envolvendo inclusive o bem estar físico e mental dos alunos, cálculos de gastos de energia em atividades físicas, i.m.c. (índice de massa corpórea).Com tabelas de calorias de alimentos, trabalhamos envolvendo energia recebida e consumida pelo ser humano, trabalho com rótulos de alimentos, alimentação saudável; outros estudos energéticos, envolvendo qualidade ambiental, custos da produção, vantagens e desvantagens das diversas formas de energia, Água - tendo a água como tema gerador, desenvolvemos um trabalho interdisciplinar, passeio no parque ecológico, que foi apresentado no Simpósio Nacional de Ensino em Física,onde foram feitas algumas análises de água,usando o kit do CDCC; a partir deste trabalho, outros temas foram sendo desenvolvidos, como soluções, concentração de soluções, condutibilidade elétrica, pH. Alguns experimentos realizados foram: condutores e isolantes, determinação de condutibilidade elétrica de soluções, preparo e determinação de concentração de soluções, vitamina C em sucos, eletrólise da água, elaboração de uma escala de pH usando como indicador repolho roxo.

No 3º ano foram realizadas muitas atividades comuns nas áreas de física e química.A utilização do software “Elementos químicos”, que nos permitiu um trabalho conjunto na parte de radioatividade, realizando algumas aulas comuns.

O experimento “medida de condutibilidade elétrica”, no qual se usou um circuito formado por uma bateria, um led, fios metálicos e pregos como eletrodos, foi empregado com vários objetivos, mostrar que a corrente elétrica atravessa alguns materiais (condutores) e outros não (isolantes), no estudo da física e testes com soluções aquosas de algumas substâncias, para se verificar a presença ou não de íons em solução e a intensidade do brilho obtido.

A “Eletrólise da água” foi realizada na aula de química, usando um kit do CDCC, com o objetivo de se estudar o processo de óxido-redução que acontece, e observar a formação de gases oxigênio e hidrogênio, enfatizando-se o potencial do gás hidrogênio como combustível alternativo, que além de gerar uma grande quantidade de energia, não é poluente. Este experimento foi acompanhado pela professora de física, com o objetivo de mostrar a utilização da corrente contínua atravessando uma solução eletrolítica.

4 - Participação em palestras, mini-cursos e olimpíada

Por ter sido este ano o Centenário da Relatividade Restrita de Einstein, no dia dezenove de maio realizamos o dia da física em nossa escola. Observamos bastante o envolvimento dos alunos do projeto, principalmente o 3º ano, pesquisando e pedindo orientações na elaboração de um texto para uma peça teatral sobre a vida de Einstein, a qual foi encenada neste evento, para toda a comunidade escolar e convidados. Neste evento, a Prof ª Dra. Débora, docente da Universidade Federal de São Carlos, ministrou uma palestra sobre os feitos de Einstein.

Os alunos do projeto, 1º e 2º anos, participaram da olimpíada brasileira de química, fase estadual, tendo desenvolvido trabalhos na área de produção e reciclagem de papel.

Pode-se notar crescente o interesse desses alunos pela ciência em geral. Novamente formou um grande grupo na “Semóptica” (agosto), cujo tema foi relatividade. Assistindo a palestras com demonstrações experimentais de física e química, ficaram muito motivados e através dos relatórios demonstram grande interesse pelo tema, percebendo que a física e a química fazem parte do seu cotidiano.

Participação dos alunos em vários mini cursos, realizados na própria escola, por alunos concluintes do curso de licenciatura em áreas de ciências exatas; pode se observar que os alunos do projeto são os que mais se interessam por estes cursos extras.

Visitas à feira de profissões da UNESP e da UNIARA, que foi bastante interessante para sanar dúvidas quanto à escolha Profissional, como também uma oportunidade de adquirir novos conhecimentos.

Na III Feira de Música, Arte e Conhecimento da E. E. Prof. Sebastião de Oliveira Rocha, como já foi citado, os alunos do 1º ano desenvolveram e apresentaram seus trabalhos.Esta foi mais uma oportunidade para mostrarmos o material adquirido pelo projeto, suas aplicações e sua importância. Os alunos mostraram grande envolvimento, segurança no que explicavam sobre seu trabalho e, um excelente trabalho em grupo interdisciplinar. Todos os alunos do projeto se envolveram totalmente na realização do evento

5- Participação em congressos e eventos

- XVI SNEFF - XVI Simpósio Nacional do Ensino de Física realizado no Rio de Janeiro (CEFET-Tijuca) de 24 a 28 de janeiro/2005, com apresentação de dois trabalhos em forma de pôster: Visita ao Parque Ecológico e Mudança Conceitual para o Ensino de Óptica.

- Semana da Física (março/2005), promovido pela UFSCar com apresentação de dois trabalhos em forma de pôster: Uma nova maneira de ensinar e aprender densidade; A Física no trânsito.

- ICET - Congresso Internacional (29 e 30 de março/2005) na UFSCar em São Carlos, com apresentação de trabalho em forma de pôster: A Importância de se Estabelecer Parcerias entre Universidade e Escola Pública.

- Simpósio Comemorativo de dez anos do Curso de Especialização em Educação Ambiental e Recursos Hídricos realizado pelo CRHEA-EESC-USP São Carlos, com apresentação de dois trabalhos,em forma de pôster, sobre Análise da água que abastece a Cidade de São Carlos( visita ao parque ecológico) e Estudo de caso: Córrego Santa Maria do Leme.

6 - Avaliação Final

As salas onde é aplicado o projeto são diferentes, os problemas disciplinares são mínimos, o interesse dos alunos pelas aulas é melhor, quando comparados às outras salas. Percebe-se claramente quando se comparam notas e faltas, que os alunos do projeto estão mais compromissados com o estudo, têm mais disciplina, boa vontade e estudam mais. Com a implantação do projeto e os benefícios decorrentes dele para a comunidade escolar, percebe-se que a falta de interesse e compromisso com a escola continua interferindo no rendimento dos outros alunos, enquanto que aqueles envolvidos no projeto têm maior interesse pelas ciências, são mais criativos, dinâmicos, despertando para o mundo da curiosidade, abrindo espaços para o desenvolvimento de novas idéias, interesses e ter uma meta em seus estudos.

Os professores engajados no projeto também se sentem estimulados, trabalham com salas mais dinâmicas, com poucas faltas, alunos mais interessados e motivados.

Sempre que consigo realizar meus sonhos, é porque meu empenho valeu a pena. Valeu a pena saber que temos alunos do projeto pretendendo cursar química e o curso de ciências exatas !! A mensagem foi passada e incorporada.

II - ANÁLISE DAS ATIVIDADES

Os objetivos propostos para a área de química foram atingidos. Durante todo o ano, podemos dar bastante ênfase às atividades experimentais, pois contamos agora com uma ex-aluna, estagiária, dando assistência no laboratório.

As atividades pedagógicas do 1º ano tiveram algumas dificuldades, pois como já destacamos em outros relatórios, os alunos, em sua maioria, têm dificuldades de interpretação e compreensão, aspecto estes que podem ser conseqüência da formação continua destes alunos, que não incentivava para o estudo, o comprometimento e o conhecimento.No entanto, no decorrer do ano já pudemos notar grandes evoluções, se interessando por outras atividades extras e na melhora de seu desempenho.

O conteúdo programático para os 2.º e 3.º anos foi complementado ,com conteúdos diversificados, de outras fontes, complementando o trabalho com o livro didático. Como já era previsto, para a 3ª série trabalhamos mais com resolução de exercícios, e testes preparatórios para o vestibular.

III - COLABORAÇÃO DA UNIVERSIDADE

A universidade nos fornece todo material necessário para o trabalho.

No caso específico das aulas de química, também conseguimos, através do IEA um monitor capacitado para desenvolvimento das atividades experimentais. Este monitor é uma ex-aluna do projeto, que entrou em 2004 na UFSCar.

A Universidade colabora com a compra e manutenção de equipamentos e materiais para o laboratório.

Na parte pedagógica, também recebemos apoio das professores da Universidade comprometidos com o projeto.

IV - COLABORAÇÃO DA ESCOLA

A Escola cedeu nos os espaços necessários ao desenvolvimento do projeto: sala de vídeo, laboratório de química, laboratório de informática, biblioteca, salas de aula, etc. A direção e coordenadores também cooperam, dando-nos toda infra-estrutura e suporte pedagógico.

V - RESULTADOS

A parceria da Universidade com a Escola é muito positiva, além da Escola se beneficiar com os bens materiais adquiridos, os alunos do projeto têm uma formação diferenciada, o que influencia positivamente os demais alunos da escola a participarem de olimpíadas, cursos, concursos, etc, valorizando a prática educacional da escola.

Além disso, há uma grande integração entre os professores envolvidos no projeto, favorecendo a interdisciplinaridade.

VI - OBSERVAÇÕES

O projeto propiciou muitas facilidades para a comunidade escolar, como laboratório de informática e Internet, laboratório de ciências equipado, livros didáticos, orientação de estudo para os alunos.

Nota-se claramente uma mudança de interesse dos alunos do projeto, quando comparados aos demais alunos da EESOR, pois através do projeto estes são estimulados a estudar, pensar, criar e construir idéias, tornando-se um cidadão crítico.

Nós, professores, através do projeto tivemos a oportunidade de olhar nossos alunos de outro modo, procurando novas metodologias para tornar o ensino de ciências mais acessível não só para alunos, mas para com toda comunidade escolar que trabalhamos.

VII - NOSSA META

Incentivar os alunos para a leitura e escrita, despertando o interesse deles para participar da olimpíada de química, fortalecendo sua criatividade e busca por novos conhecimentos.

Desenvolvimento de novos projetos interdisciplinares, que têm se mostrado uma ótima à maneira de motivação para os alunos.

Proporcionar atividades extras que possam valorizar o conhecimento já adquirido e despertarem novos interesses, como visitas às indústrias, laboratórios, feiras, ou ainda a integração com o meio ambiente, proporcionando uma diversidade de assuntos e novos tipos de abordagens.

_______________________________

Ana Paula Nogueira Castilho Marques

Janeiro/2006

ANEXO IV - RELATÓRIO DA BOLSISTA ZÉLIA ISABEL C. ALVES
Área de Biologia
 1. Qual a sua contribuição no projeto de pesquisa (descreva suas atividades)?

A proposta referente à área de Biologia foi reavaliada nos encontros com a Profa. Dra. Nelma Regina Segnini Bossolan, do Instituto de Física de São Carlos - USP, no início deste período letivo. O módulo de aulas práticas de Biologia Molecular, que vem sendo desenvolvido nos anos anteriores, foi aplicado para os alunos da 1ªsérie A e da 2ª série A pelas monitoras Fernanda Maria Chiari e Ana Cláudia Ribeiro Guerra, alunas do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas - IFSC, sob a orientação da Profa. Nelma e com a participação de outros membros da equipe da Universidade. Para os alunos da 3ª série A, a proposta incluiu um conjunto de atividades desenvolvidas na Escola e visitas a algumas instituições (tabela 1), complementando-se o trabalho realizado com esses alunos em 2003 e 2004, e que já foi apresentado nos relatórios anteriores. Assim, como responsável pelo trabalho desenvolvido com os alunos da 3ªsérie A, minhas contribuições durante esse período foram:

a) Preparação e implementação das aulas desenvolvidas no período da tarde, segundo cronograma apresentado na tabela 1, que reforçaram os conteúdos das aulas regulares do período da manhã.

b) Organização das visitas realizadas a diferentes instituições, durante o ano de 2005 (ver tabela 1).

Tabela 1. Cronograma das atividades desenvolvidas com os alunos da 3ª série A.
 
Data
Ano 2005
Título das atividades Modalidade didática
31/03 A classificação dos seres vivos Apresentação de vídeo da coleção Didak e discussão
07/04  O conceito biológico de espécie Apresentação do Filme COBRA (Série Predadores Selvagens) e discussão
28/04 Visita ao parque Ecológico “Dr. Antônio T. Vianna” Visita monitorada, com a apresentação de aspectos da biologia dos animais e da importância de sua preservação 
05/05 Protozoários e algas unicelulares Aula prática no Laboratório de Ciências da U.E. 
12/05  Protozoários e algas unicelulares Pesquisa na sala de informática da U.E. com elaboração de um breve texto sobre o tema
02/06 Semana do Meio ambiente Apresentação do Filme produzido pela RENCTAS (Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres) e discussão
09/06 Visita ao Laboratório de Ficologia do Depto. de Botânica da UFSCar (Figura 1) Visita monitorada com apresentação das técnicas utilizadas no estudo das algas unicelulares
16/06 Doenças causadas por bactérias Apresentação de vídeo (coleção da U.E.) sobre hanseníase e tuberculose
23/06 Fungos Pesquisa na sala de informática da U.E. sobre a estrutura dos fungos e ambiente onde eles se desenvolvem 
30/06 Visita ao Depto. de Engenharia de Materiais da UFSCar (figura 1b) Palestra breve conferida pelo Prof. Dr. José de Anchieta seguida de visita monitorada aos laboratórios do DEMa
18/08 Briófitas e Pteridófitas Aula prática realizada no Bosque das Paineiras, local próximo à Escola conhecido como “Buracão”
01/09 O corpo humano Apresentação de vídeo (coleção da Escola) sobre o corpo humano 
15/09 Visita ao Laboratório de Anatomia do Depto. de Morfologia e Patologia da UFSCar Aula ministrada pelos monitores Gustavo e Carol, alunos dos Cursos de Ciências Biológicas e de Educação Física, respectivamente
22/09
Manhã
Visita à Cooperativa de Laticínios de São Carlos Palestra conferida pelo Sr. Edílson e visita monitorada aos setores da Empresa
22/09
Tarde
Gimnospermas e Angiospermas Apresentação de Vídeo (coleção Didak) sobre a estrutura da flor e sobre como as flores produzem sementes
29/09 Características gerais dos animais Aula expositiva
20/10 Preparação da Feira de Ciências da Escola Formação dos grupos de alunos e escolha dos temas dos trabalhos
10/11 Preparação da Feira de Ciências da Escola Retorno ao Laboratório de Ficologia e ao Departamento de Engenharia de Materiais para obtenção de material para exposição na Feira
11/11
Manhã
Preparação da Feira de Ciências da Escola Retorno à Cooperativa de Laticínios para obtenção de material para a Feira
11/11
Tarde
Feira de Ciências Apresentação dos trabalhos pelos alunos
12/11
Manhã
Feira de Ciências Apresentação dos Trabalhos pelos alunos
24/11 Avaliação sobre as visitas Questões 

É importante ressaltar que continuei como a professora responsável pela Disciplina de Biologia nas três séries participantes do Projeto (1ª A, 2ª A e 3ª A), no período regular das aulas, isto é, período da manhã. O trabalho com esses alunos foi desenvolvido, em linhas gerais, como no ano de 2004 (item 7.2 do relatório anterior).
 


(a)

(b)

Fig. 1. Fotos das visitas monitoradas aos grupos de pesquisa da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) em junho de 2005.
           a) Visita ao laboratório de Ficologia e
           b) Visita ao Departamento de Engenharia de Materiais.

2. Quais foram as mudanças e, eventualmente, os ajustes realizados nas suas atividades de pesquisa? Especifique e justifique cada um deles.

Como já foi apresentado nos relatórios anteriores (2003 e 2004), os alunos que este ano fazem parte da 3ª série A, participaram das atividades organizadas pela equipe da Universidade, sendo que em 2004 foi aplicado a esses alunos o módulo de atividades práticas sobre biologia molecular. Durante esse período, colaborei com os monitores da área de Biologia, participando da execução das atividades direcionadas à classe, sendo que, num segundo momento, passei a colaborar também com a análise dos resultados dos pré e pós-testes dirigidos aos alunos.

Em 2005, o módulo de atividades práticas foi aplicado aos alunos da 1ª série A e da 2ª série A, pelas monitoras da área de Biologia (ver detalhes no item 7). Os alunos da 3ª série A participaram de atividades desenvolvidas na Escola e de uma série de visitas, sendo que, a organização do trabalho com essa classe ficou sob minha responsabilidade.

A organização das visitas foi um trabalho novo e que se desenvolveu de forma independente do trabalho realizado pela equipe da Universidade. Assim, complementando-se o que já foi desenvolvido nos anos anteriores, as visitas permitiram aos alunos da 3ª série A uma visão mais ampla dos conteúdos tratados em sala-de-aula e possibilitaram o contato da classe com os profissionais das diferentes instituições visitadas.

3. Como e de que forma a equipe da Universidade está subsidiando suas atividades de pesquisa?

O contato mantido, ao longo do ano, com a equipe da Universidade contribuiu de forma fundamental para o desenvolvimento do trabalho realizado com os alunos. Nas reuniões, realizadas na Escola, foram discutidas orientações gerais para todo o grupo envolvido no Projeto. Na área de Biologia, a Profa. Nelma disponibilizou o material necessário para algumas atividades, além de colaborar com importantes sugestões.

Para as visitas ao Parque Ecológico e à Cooperativa de Laticínios, foi possível utilizar o ônibus da Universidade, graças ao empenho da Secretária do Instituto de Estudos Avançados (IEA São Carlos), Graziela Castro.

4. Em que medida a unidade escolar tem colaborado para a execução satisfatória de seu trabalho de pesquisa? Explique.

A E.E.S.O.R. tem colaborado para a execução satisfatória dos trabalhos, cedendo salas-de-aula para as atividades desenvolvidas no período da tarde e disponibilizando algumas vezes o Horário de Trabalho Pedagógico Coletivo (HTPC) para reuniões de trabalho da equipe do projeto. O Laboratório de Ciências, a Sala de Vídeo e a Sala Ambiente de Informática também foram utilizados, sendo necessário, apenas, reservar antecipadamente esses espaços.

5. Quais foram, até o momento, as principais contribuições de suas atividades de pesquisa para a unidade escolar?

As principais contribuições para a Escola incluem uma maior capacitação do professor, uma vez que, com o rápido e expressivo aumento dos conhecimentos na área de Biologia, o contato do professor do Ensino Médio com a Universidade torna-se muito promissor. Graças ao trabalho que vem sendo desenvolvido, em parceria com a equipe da área de Biologia, as possibilidades para o desenvolvimento das aulas se multiplicaram e isso se estende às outras classes da U.E., não participantes do Projeto. Assim, algumas atividades desenvolvidas no Laboratório de Ciências, para a 1ª série A, foram aplicadas também para os alunos das 1ªs séries C e D. Da mesma forma, um pequeno projeto sobre o Filme GATTACA (NICCOL, 19971) desenvolvido com os alunos da 2ª série A, envolveu também os alunos da 2ª série B.

Uma contribuição também importante para a Escola foi em relação à 3ª Feira do Conhecimento, realizada nos dias 11 e 12 de novembro. Os alunos da 3ª série A, organizados em grupo, retornaram às instituições visitadas durante o ano, para a obtenção de informações mais detalhadas e de material ilustrativo, com os quais prepararam os trabalhos que foram apresentados na Feira.

6. Qual o cronograma da próxima etapa de seu trabalho de pesquisa?

As próximas etapas do trabalho visam:

- intensificar o uso do Laboratório de Ciências, tendo como base o que já foi desenvolvido pela equipe da Universidade e avaliando com os professores de Ciências e de Biologia da E.E.S.O.R., alternativas que adaptem o uso do Laboratório ao nosso dia-a-dia com os alunos. Essa etapa do trabalho não pode ser realizada de forma satisfatória em 2005, uma vez que foi necessário compor parte da minha jornada de trabalho em outra Unidade Escolar e, em função disso, o número de encontros com esses professores, ao longo do ano, não foi suficiente.

- avaliar os questionários aplicados aos alunos da 3ª série A sobre as visitas realizadas ao longo deste ano, para que se possa aprimorar e dar seqüência ao trabalho de organização de visitas a diferentes instituições. Em 2006, esse trabalho deverá envolver os alunos que hoje estão na 2ª série A.

7. Há outras observações consideradas relevantes para a análise do projeto, por parte da FAPESP?

As atividades descritas na tabela 2 referem-se ao trabalho desenvolvido com os alunos da 1ª série A e da 2ª série A da EESOR, pelas monitoras Ana Cláudia Ribeiro Guerra e Fernanda Maria Chiari. Elas são alunas do curso de Licenciatura em Ciências Exatas (campus USP São Carlos) e estagiárias no setor de difusão do Centro de Biotecnologia Molecular Estrutural (CBME/CEPID/FAPESP). O módulo aplicado a esses alunos foi basicamente o mesmo desenvolvido com as turmas dos dois anos anteriores do projeto (2003 e 2004), salvo algumas modificações incluídas, resultantes da avaliação do processo.

Em caráter experimental foi feita a aplicação e a avaliação de parte do módulo de atividades a alunos da 7ª série do ensino fundamental da EESOR. Um módulo de 3 atividades práticas com enfoque em conceitos básicos de biologia celular e molecular foi aplicado para 5 alunos de uma classe de 7ª série. Este mini-curso foi chamado de “Viagem através da ciência: da célula ao DNA” e as atividades estão listadas na tabela 3.

O módulo de atividades aplicado ao ensino médio contribuiu, para uma parte dos alunos da 1ª. série, na compreensão de alguns conceitos relacionados à célula e à molécula de DNA, como observado nos resultados do pós-teste aplicado. Deve ser considerado que estes estudantes, até o momento da aplicação do módulo de atividades práticas, não haviam visto este conteúdo em suas aulas regulares, o que foi mostrado pelos baixos percentuais de respostas nas categorias esperadas. Já os alunos da 2ª. série, nas questões relacionadas aos constituintes celulares e suas funções, às diferenças entre célula animal e vegetal e à importância do núcleo e do DNA, um número maior passou a compreender melhor estes conceitos e essa internalização ficou evidente no pós-teste, por meio da incorporação dos conceitos científicos nas respostas e na forma de elaboração das mesmas.

Tabela 2. Módulo de atividades práticas desenvolvido e aplicado aos alunos da 1ª. e 2ª. série da EESOR, no período de março a junho de 2005.
 
ATIVIDADES - 1ª e 2ª série
30/03 e 31/03 Aplicação do Pré-teste
04/04 e 07/04 Filmes: “Estrutura e composição da célula” e “Biologia da célula”. Manipulação do software “As células virtuais”
11/04 e 14/04 Microscopia. Visualização de células animal, vegetal e bacteriana no microscópio.
18/04 Histórico do DNA (Dinâmica linha do tempo)
25/04 e 28/04 Extração do DNA do morango
02/05 e 05/05 Modelos de ácidos nucléicos2
- estrutura da molécula de DNA e duplicação (CBME)
09/05 e 12/05 Modelos de ácidos nucléicos - transcrição e tradução
16/05 e 19/05 Estudo do processo da síntese protéica, através de um jogo de tabuleiro “Sintetizando proteínas”3 que simula uma célula em atividade.
23/05 e 30/05 Enzimas de restrição e eletroforese em gel
02/06 Aplicação de técnicas da engenharia genética: teste de paternidade e criminalística
04/08 Aplicação do Pós-teste

A análise das avaliações aplicadas aos alunos do ensino fundamental mostrou que os conceitos básicos sobre célula estão confusos no que diz respeito à função das células no organismo. Em contrapartida todos compreenderam que a célula é viva e está presente em tudo que tem vida, como se pode observar no pós-teste. Com relação ao núcleo percebeu-se total compreensão de que o núcleo contém nossas informações genéticas e no pós-teste não houve questões sem respostas.

Tabela 3. Atividades aplicadas aos alunos da 7ª série do ensino fundamental da EESOR nos meses de outubro e novembro.
 
Datas das atividades Atividades 7ª Série
21/10/2005
Aplicação de um questionário diagnóstico (pré-teste).
Visualização de diversos tipos celulares ao microscópio.
24/10/2005 Atividade de extração de DNA de morango.
25/10/2005 Montagem de modelos de DNA e RNA utilizando o kit “DNA e RNA: construindo as moléculas da vida”.
17/11/2005 Aplicação de questionário (pós-teste) para verificar a fixação dos conceitos abordados durante o minicurso.

Explorando o conceito de que o DNA está presente em tudo que é formado por célula, os alunos não mostraram dificuldades em entender que já ingeriram DNA.

A maior dificuldade se concentrou nas questões onde se tornava necessário estabelecer relações entre cromossomo, DNA e gene, e nas definições de clonagem e organismos transgênicos.

As eventuais dificuldades encontradas pelos alunos podem ser atribuídas ao fato de que os conteúdos de DNA, clonagem e organismos transgênicos muitas vezes não são abordados na sétima série. Outro fator é a falta de compromisso em responder os questionários, notada freqüentemente nos alunos.

A aplicação de atividades práticas mostrou-se válida para os ensinos médio e fundamental, despertando em ambos os casos o interesse, a curiosidade e a vontade de aprender como a ciência funciona, desde que se ajuste a abordagem correta a cada faixa etária. Consideramos válido uma nova aplicação deste mesmo módulo de atividades direcionando melhor o público alvo, no caso a sétima série, a fim de comparar resultados e tirar conclusões pertinentes a ponto de gerar novas formas de ensinar e despertar o interesse e curiosidade dos alunos em diversos campos da ciência.

7.1 Comunicações em eventos científicos no ano de 2005

O trabalho desenvolvido pela área de Biologia do presente projeto gerou as seguintes comunicações orais no XIII Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo (SIICUSP), ocorrido de 7 a 9 de novembro de 2005, no campus USP São Paulo:

CHIARI, Fernanda Maria; GUERRA, Ana Claudia Ribeiro; BOSSOLAN, Nelma Regina Segnini. Desenvolvimento e avaliação de um módulo de atividades práticas em Biologia Molecular para o ensino médio. In: XIII Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo (SIICUSP), 2005, São Paulo. Resumo do XIII SIICUSP, 2005.

MIRANDA, Elisangela Matias; BOSSOLAN, Nelma Regina Segnini. Elaboração de roteiros pedagógicos para atividades práticas em biologia molecular dirigidas ao ensino médio. In: XIII Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo (SIICUSP), 2005, São Paulo. Resumo do XIII SIICUSP, 2005.

_____________________________

Profa. Zélia Isabel Cavallaro Alves

Janeiro/2006

ANEXO V - RELATÓRIO DA BOLSISTA NEIVA GODOI
Área de Física

1. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

1.1 - Primeira Série do Ensino Médio

· Revisão de matemática

- Potência de 10

- Funções trigonométricas

- Transformações de unidade

· Noções básicas de cinemática: trajetória, referencial, ponto material, repouso e movimento, velocidade e aceleração.

- Para introduzir o conceito de velocidade média foi realizado um experimento utilizando um Becker graduado, contendo óleo de cozinha. Introduzindo uma gota de água, os alunos mediram os deslocamentos, os respectivos tempos e calcularam a velocidade média para diferentes deslocamentos e verificaram que era aproximadamente constante, ou seja, o movimento era uniforme.

- Determinar a velocidade média medindo o deslocamento e o tempo de casa para a escola, a pé ou de carro.

- Utilizando o PUCK, cedido pelo CDCC, para o estudo do movimento uniforme e uniformemente variado, tendo cada aluno obteve sua trajetória para posterior análise. Realizaram as medidas dos espaços e respectivos tempos, para análise dos movimentos e construíram os gráficos: espaço versus tempo, velocidade versus tempo e aceleração versus tempo.

- Análise digital dos movimentos uniforme e uniformemente variado foram realizadas utilizando o software SAM, desenvolvido pelo CDCC.

- Os estudos do movimento circular e as Leis de Kepler foram realizados pelos alunos do último ano do curso Licenciatura em Ciências Exatas da USP que ministraram três aulas sobre estes dois temas, utilizando multimídia e experimentos. Posteriormente foram complementados e avaliados por mim. Este tipo de experiência foi muito enriquecedor porque nos anos anteriores estes temas nem constavam do planejamento.

1.2 - Segunda série do Ensino Médio

Retomada dos conteúdos estudados no ano anterior, começando com trabalho, potência e energia. Os alunos da licenciatura da USP também prepararam três aulas sobre estes conteúdos, utilizando multimídia e experimentos, nesse caso fizeram as avaliações.

- Termometria: foram medidas as temperaturas ambiente, fusão e ebulição da água utilizando dois termômetros, um na escala Celsius e outro na escala Fahrenheit e em conjunto com os alunos foram determinadas as relações entre as duas escalas.

- Dilatação térmica: foi utilizada uma placa metálica que permaneceu 10 horas no congelador, temperatura 0oC, e em seguida aquecida até 65oC para observar o aumento das suas dimensões. Com uma lata de metal com a tampa também de metal, foi realizado o mesmo procedimento: quando aquecida não fecha e quando gelada sobra uma pequena folga. Discutimos também o problema da água, que tem comportamento inverso.

- Calorimetria: construiu-se um calorímetro caseiro com uma lata de refrigerante, onde era queimada certa massa de amendoim, para aquecer certa quantidade de água. Medindo a sua variação de temperatura, calculava-se a quantidade de calor para aquecer a água. Com os conceitos aprendidos nesses experimentos foi trabalhado o saldo energético diário de consumo e gasto diário de energia de cada aluno. Foram trabalhados vários rótulos de alimentos e tabelas de gastos energéticos de atividades físicas.

- Termodinâmica: utilizou-se um texto sobre combustão do gás de cozinha, onde era discutido o processo endotérmico e exotérmico, para aquecimento de uma certa quantidade de água. Foi estudada a combustão da gasolina num motor de automóvel e o funcionamento da geladeira principalmente para o estudo da segunda lei da termodinâmica. Realizamos o experimento utilizando palha de aço e ácido clorídrico, onde ocorre a liberação de gás hidrogênio e aumento de temperatura. Foram medidas a massa, variação de temperatura e volume do ácido, calculado o calor liberado na reação, e mostrado a semelhança que acontece com a gasolina.

Um gás nobre foi estudado em química e complementado pela física com a primeira e segunda lei da termodinâmica.

O tópico de termologia foi estudado de forma interdisciplinar em física e química.

1.3 - Terceira Série do Ensino Médio

- Eletrostática: foi realizado um experimento de condutibilidade elétrica cujo objetivo era verificar se os materiais são condutores ou isolantes, com um equipamento simples: uma bateria, um led, fios metálicos e pregos como eletrodos. Numa primeira etapa de testes foram usados vários materiais sólidos (metais, grafite, borracha, vidro), mostrando que com alguns materiais o led acende (condutores), com outros não (isolantes).Utilizou-se o gerador de Van Der Graff para ilustrar tipos de eletrização.

- Eletrodinâmica: com o objetivo de mostrar a utilização da corrente contínua, que ao atravessar uma solução eletrolítica (condutora), quebra as ligações entre átomos de hidrogênio e oxigênio da molécula de água, formando duas novas moléculas de gás hidrogênio e gás oxigênio, que podem reagir entre si, gerando um grande desprendimento de energia que pode ser convertido em energia elétrica ou térmica. O hidrogênio é utilizado como combustível para foguete, e está sendo testado em automóveis (Revista Veja de outubro 2004). Para o estudo de associação série e paralelo foi utilizado um kit do CDCC onde os alunos puderam conhecer os aparelhos de medidas como amperímetro e voltímetro e observar o que acontecia com a corrente e a tensão em associações em série e paralelo.

- Eletromagnetismo: os alunos da licenciatura ministraram três aulas sobre eletromagnetismo, com experimentos como eletroímãs e motor elétrico também utilizando kit do CDCC.

- Foi utilizado um software “Elementos Químicos” que trabalha as teorias atômicas, fusão e fissão nuclear, emissão de partículas alfa, beta e gama. Utilizou-se também texto da Revista Brasileira de Física.

No terceiro ano fez-se uma revisão da parte de mecânica vista nos primeiros anos, com resolução de exercícios e simulados, para melhor preparo no vestibular.

1.4 - Participação de palestras, mini - cursos e olimpíadas:

Dos cinco alunos que foram aprovados para segunda fase da fuvest, três participaram desse torneio, Robson,Vanessa e Thiago.

Fig.01: Alunos participantes do IYPT, junto com os participantes da Bahia.

Fig.02: Aluna Natalia de Fátima Martins
Fig.03: Alunos participantes do teatro sobre a vida de Albert Einstein.(Danilo e Jaqueline)
- Palestra “As realizações de Einstein”, dia 19 de maio de 2005, ministrada pela professora da UFSCar, Débora Coimbra.

- Semóptica/IFSC-USP (agosto): o tema desenvolvido foi sobre relatividade e nossos alunos através dos relatórios demonstraram grande interesse pelo tema, servindo também para complementar o trabalho realizado em maio. Em outubro os alunos participaram das palestras da Semóptica, que contribuíram muito para os alunos conhecerem novas tecnologias.


1.5 - Participação de Congressos e Eventos

  • XVI SNEFF - XVI Simpósio Nacional do Ensino de Física: realizado no Rio de Janeiro (CEFET- Tijuca) de 24 a 28 de janeiro/2005, com apresentação de dois trabalhos em forma de pôster:

  • - “Visita ao Parque Ecológico”
    Neiva Godoi e Ana Paula Marques

    - “Mudança Conceitual e a Prática Docente para o Ensino de Óptica”
    Neiva Godoi, Iria Müller Guerrini, Águida C. de Méo Barreiro, Yvonne Mascarenhas (Fig.04)

    Fig.04: SNEF (Iria, Aguida e Neiva)
  • Encontro Regional do International Council on Education for Teaching (ICET): de 29 a 30 de março de 2005, UFSCar, São Carlos, SP. Trabalho apresentado na categoria de pôster:

  • "A Importância de se estabelecer Parcerias entre a Universidade e a Escola Pública"
    Neiva Godoi, Ana Paula Marques. (Fig.05)
    Fig.05: Participação do ICET-(Iria, Neiva e Profa Yvonne)

    Fig. 06: Participação do Simpósio Comemorativo de dez anos do Curso de Especialização Ambiental
           e Recursos Hídricos realizado pelo CRHEA-EESC-USP São Carlos.(Neiva e Ana Paula)

    1.6 - Participação do Processo Seletivo de Mestrado

    Participei do Processo de Seleção no Programa de Pós Graduação em Educação, para o Mestrado em Metodologia de Ensino na linha Ensino de Ciências de Ciências da Universidade Federal de São Carlos, sendo aprovada na primeira fase com o “Projeto: COMO UMA PARCERIA ENTRE ESCOLA PÚBLICA E UNIVERSIDADE PODE MUDAR UMA COMUNIDADE ESCOLAR”.

    Na prova escrita que era a segunda fase também fui aprovada, a terceira fase, uma entrevista também já foi realizada e felizmente o resultado foi favorável, restando apenas que eu encontre um professor que me oriente.

    2. MUDANÇAS REALIZADAS NAS ATIVIDADES:

    Muitas atividades foram mudadas em virtude da tentativa de um trabalho interdisciplinar, principalmente entre física e química, e também a experiência de participação dos alunos do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas, que foi ótima por participarem mais ativamente das atividades dentro da sala de aula e da escola como um todo, onde houve uma troca entre eu como professora e alunos da universidade como futuros professores.

    3. COLABORAÇÃO DA UNIVERSIDADE:

    Além de todo material pedagógico, os alunos do curso de Licenciatura em Ciências Exatas ministraram aulas dentro do conteúdo do planejamento, utilizando o espaço, multimídia e laboratório de ensino da universidade.

    A maior proximidade dos alunos do último ano de Ciências Exatas na escola, não somente sentados observando os professores da sala dando aulas, mas sim participando das atividades, tais como ajudando no “Dia da Fisica” realizada na SOR, resolução de exercícios, e até mesmo interagindo com os alunos da escola para conter a disciplina, foi muito importante o trabalho realizado este ano, pois todos aprendendo eu, meus alunos, esses futuros professores e até mesmo os professores desses futuros professores. Este trabalho foi realizado também com alunos que não participavam com o projeto com a colaboração das professoras da USP Neuma Bossolan e Cibele.

    O grande incentivo e colaboração para participarmos de todos os eventos realizados durante esse ano, principalmente da professora Iria Müller Guerrini e professora Yvonne P Mascarenhas que nos acompanhou sempre que possível, o que também foi uma experiência nova e gratificante para mim pessoalmente.

    4. COLABORAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR COM AS ATIVIDADES:

    A escola tem cedido salas para aulas complementares no período da tarde, uso da sala de vídeo e sala de informática.

    Colaborando com o horário de HTPC's para que as atividades extra classes possam ser realizadas quando necessário.

    5. PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DAS ATIVIDADES DE PESQUISA PARA A UNIDADE ESCOLAR:

    - O laboratório de química está em funcionamento, sendo utilizado esporadicamente, bem como a sala de informática foi remodelada e este ano, pela primeira vez, conseguiu-se com a primeira série trabalhar com o software SAM.

    - Alunos do ensino fundamental que não pertencem ao projeto foram classificados para segunda fase da Olimpíada Paulista de Física e participaram também da Olimpíada Brasileira de Astronomia.

    - O Laboratório de Física está pronto (Fig. 07), com bancadas, armários e computador pronto para funcionamento. Não foi inaugurado ainda porque ficou pronto este mês.


    Fig. 07: Laboratório que esta sendo montado.

    6. CRONOGRAMA PARA PRÓXIMA ETAPA DE TRABALHO

    - Inauguração e utilização do Laboratório de Física que está pronto para o início do ano.

    - Planejamento para aulas em conjunto com alunos do último ano do curso de Licenciatura em Ciências Exatas da USP para o trabalho do próximo ano, não somente de observação, mas de atuação.

    - Os alunos já estão trabalhando nas férias para participarem do IYPT Brasil - Torneio Internacional de Físicos que será em março do ano que vem, com dois grupos (dez alunos sendo cinco alunos da segunda série do ensino médio, três alunos da primeira série do ensino médio e dois alunos da oitava série do ensino fundamental).

    - Preparo para Olimpíada Paulista e Brasileira de Física, e a de Astronomia também.

    __________________

    Profa. Neiva Godoi

    Janeiro/2006

    ANEXO VI - RELATÓRIO DA BOLSISTA MARIÂNGELA f. OLIVEIRA
    Área de Comunicação e Expressão

    I. Introdução

    Foram desenvolvidas, durante o ano de 2005, as atividades apresentadas a seguir, para o Projeto “Desenvolvimento e Avaliação de uma Pedagogia Universitária Participativa no Ensino Médio: Atividades com ênfase em matemática, ciências e comunicação”.

    O projeto teve como objetivo essencial, contribuir para que os estudantes da rede pública de ensino tenham melhor formação, para que nas Universidades possam competir igualmente ao ingresso nas Universidades Públicas como também no mercado de trabalho.

    II. Atividades Desenvolvidas

    As atividades foram desenvolvidas no âmbito do 3º ano do Ensino Médio e os conteúdos abordados estão descritos abaixo.

    II. 1. Projeto Releituras:

     - “O triste fim de Policarpo Quaresma” - (Lima Barreto)

     - “A hora da Estrela” - (Clarice Lispector)

    II. 1. a. Filmografia:

    “A hora da Estrela” (BRA, 1986, 96 min.)

    Direção: Suzana Amaral

    Elenco: José Dumont, Marcela Cataxo e Tâmara Taxman

    II. 1. b. Filmografia:

    “Policarpo Quaresma, Herói do Brasil” (BRA, 1998, 123 min.)

    Direção: Paulo Thiago

    Elenco: Paulo José e Guilia Gam

    Objetivo: Analisar os aspectos técnicos, artísticos, sociológico e moral do filme, aspecto psicológico do personagem, aspecto da mensagem do filme e aspecto estrutural gramatical do texto abordado no mesmo.

    Uma observação que se pôde fazer é que a partir da primeira leitura do livro “O Triste Fim de Policarpo Quaresma” de Lima Barreto, os alunos reescreveram a obra tendo como ponto de partida a interpretação de ambas as fontes de divulgação, tanto impressa quanto visual. (Anexo A).

    II. 2. Projeto Literatura:

    II. 2. a. Estilo de Época:
     

    Feita a contextualização do surgimento da estética modernista no Brasil, partimos para apresentação das principais características das duas primeiras gerações modernistas:

    - Primeira Geração Modernista:

    Liberdade formal, a inovação estrutural trazida por obras como “Amar, verbo intransitivo”, “Macunaíma” e “Memórias Sentimentais” de João Miramar; a tentativa de resgatar uma imagem mais real do Brasil nos textos literários.

    - Segunda geração modernista:

    Prosa: o desenvolvimento da prosa regionalista em uma tentativa de levar o Brasil a conhecer melhor as características da vida dos nordestinos, aprisionados pela condição social, falta de cultura e clima inóspito da região em que vivem.

    Obra: “Vidas Secas” - Graciliano Ramos.

    - Terceira Geração Modernista:

    Poesia: Adoção de uma perspectiva menos engajada, que valoriza o trabalho com forma.

    Obra: “Morte e Vida Severina” - João Cabral de Melo Neto.

    Prosa: Surgem duas tendências, associadas a dois nomes de extrema importância: João Guimarães Rosa (a recriação da linguagem literária e a universalização do tratamento dado aos conflitos humanos) e Clarice Lispector (a noção de “epifania” no processo de mergulho e descoberta interior).

    - Leitura de Livros extra-classe, voltado para o vestibular: “Saragama” - João G. Rosa, “A hora da Estrela” - Clarice Lispector, “Mensagem” - Fernando Pessoa e “Libertinagem” de Manuel Bandeira.

    - Trabalhos: Os alunos desta série reproduziram, a partir de pesquisas, algumas revistas modernistas, tais como: Klaxon (1922), Estética (1924), Antropofagia (1928), Terra Roxa (1926), A Revista Verde (1926). (Cópias dos trabalhos melhor apresentados estão inclusos no Anexo B).

    II. 3. Redação: A técnica de dissertação

    - A dissertação - diferença entre tema e título;

    - O esquema básico da dissertação - A escolha de argumentos;

    - As relações de causa e conseqüência: como encontrar a causa e sua conseqüência;

    - A abordagem de temas polêmicos: argumentos favoráveis e contrários;

    - A dissertação como predominância crítica;

    - O que você NÃO deve fazer em uma dissertação.

    Objetivos: O estudo de redação propõe-se a mostrar alguns dos mecanismos de que você pode dispor para redigir bem de modo a fazer redações lógicas, claras, objetivas e bem elaboradas. Procuramos mostrar-lhes como se organizam as idéias de modo objetivo e fazer delas o ponto de partida para se expressar convenientemente e de modo cada vez mais criativo. Incluímos a Dissertação na qual procuramos mostrar como podem ser feitas as solicitações de redação nos exames vestibulares.

    III. Mudanças e Ajustes

    As mudanças mais significativas em relação à fase anterior ocorreram a partir do 2º bimestre, onde os alunos se adaptaram melhor com o ritmo imposto a eles nas aulas de Língua Portuguesa (Literatura, Oficina de Redação, Leitura de livros extra-classe, dentre outros tópicos). Os estudos, debates, discussões, nesta etapa do trabalho, contribuíram para um desenvolvimento mais amplo sobre a questão da avaliação de uma forma geral.

    IV. Equipe da Universidade

    O IEA-USP-São Carlos nos fornece todo o material necessário para o desenvolvimento do trabalho na U.E. Colaborando com materiais, xerox, excursões para exposições, além de garantir a execução das aulas práticas.

    V. Unidade Escolar

    A Direção e Coordenação da escola oferecem total apoio ao projeto, muitas vezes utilizamos o horário do HTPC para solucionar problemas que ocorrem nas salas do projeto. Foram utilizadas nas aulas de Língua Portuguesa e Redação, as salas de vídeo, DVD e Informática, sendo necessário reservar antecipadamente esses espaços.

    _________________________

    Profa. Mariângela F. Oliveira

    Janeiro/2006


    1. NICCOL, A. GATTACA (filme-vídeo). EUA, Distribuição Columbia Pictures/Sony ntertainment Pictures. 1997. 112 min. Color.

     2. Kit “Construindo as moléculas da vida: DNA e RNA” desenvolvido pelo Centro de Biotecnologia Molecular Estrutural (CBME/CEPID/FAPESP).

     3. Jogo “Sintetizando proteínas” desenvolvido pelo Centro de Biotecnologia Molecular Estrutural (CBME/CEPID/FAPESP) em parceria com o Centro de Divulgação Científica e Cultural (CDCC) da Universidade de São Paulo (USP).